PremiumMota-Engil investe 40 milhões em Campanhã

Antigo matadouro no Porto vai dar lugar a onze edifícios com áreas entre os 374m2 e os 2.408m2, para utilização empresarial, restauração e escritórios. Parte do espaço estará alocado a um projeto municipal de arte e cultura.

O outrora matadouro industrial da Campanhã na cidade do Porto vai tornar-se a partir de outubro de 2024 um espaço dedicado à restauração e escritórios, mas onde não faltará também a vertente sóciocultural.

Esta transformação será levado a cabo pela EMERGE, empresa subsidiária do grupo Mota-Engil, que vai investir 40 milhões de euros na reabilitação de um projeto apresentado a nível internacional em 2017 pela autarquia e desenvolvido pelo atelier do arquiteto japonês Kengo Kuma em colaboração com o atelier de arquitetura portuguesa OODA.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mota-Engil vai alargar ‘board’ para 17 membros no dia 30. Paulo Portas e José Pinto Nogueira entram

Nas propostas que serão votadas a administração da empresa indica como futuros elementos o antigo vice-primeiro-ministro Paulo Portas, confirmando uma informação avançada pelo Jornal Económico, bem como João Pedro Parreira e José Nogueira Pinto. Da administração sai Xiangrong Wang, que apresentou a renúncia a 22 de dezembro.

Custos da construção desaceleraram para 11,7% em novembro

Esta subida corresponde a uma descida de 0,6 pontos percentuais (p.p) do que o verificado no mês anterior. O preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram, respetivamente, variações de 15,4% e de 6,7%, respetivamente face ao período homólogo.

Mota-Engil propõe Carlos Mota Santos para CEO e ‘chairman’ 

Carlos Mota Santos exerce atualmente o cargo de vice-presidente da comissão executiva da empresa. Em causa está a “renovação geracional” do grupo do sector da construção.
Comentários