Chineses da CCCC negoceiam compra de 30% da Mota-Engil

A China Communications Construction Company (CCCC), uma das maiores construtoras mundiais, vai entrar no capital da construtora nacional. Com esta entrada, a Mota Gestão e Participações, o acionista maioritário, vai reduzir a sua participação para 40%. Negócio avalia Mota-Engil em 750 milhões de euros.

Mario Proenca/Bloomberg

A Mota-Engil anunciou hoje que está a negociar com um dos “maiores grupos de infraestruturas do mundo” com uma “atividade significativa a nível mundial” para que este se torne um ” acionista relevante e um parceiro de longo prazo”.

Apesar da Mota-Engil não revelar o nome da empresa no comunicado, o Jornal Económico apurou que se trata da China Communications Construction Company (CCCC), uma das maiores construtoras mundiais.

Ao mesmo tempo, a construtora liderada por Gonçalo Moura Martins também está a negociar um acordo de “parceria estratégica e de investimento” com este grupo com o objetivo de “desenvolver em conjunto oportunidades comerciais”.

Desta forma, a Mota Gestão e Participações, o acionista maioritário com 56% da empresa, aceitou “vender uma participação relevante no capital social da sociedade a um preço que reflete uma valorização que está muito acima do preço atual de mercado”.

Além do acordo de parceria e investimento, que avalia a empresa em 750 milhões de euros, o grupo de infraestruturas compromete-se a “subscrever uma participação relevante num aumento de capital social de até 100 milhões de novas ações que será submetido brevemente a deliberação em assembleia-geral”.

Quando o aumento de capital social estiver concluído, a Mota Gestão e Participações passa a deter 40% da Mota-Engil, “sinal de total empenhamento e alinhamento com a sua posição história no grupo”.

Já o novo acionista vai passar a deter uma participação ligeiramente superior a 30%.

“Esta nova estrutura acionista e o quadro desta parceria, que se baseia na avaliação do grupo de cerca de 750  milhões, irá reforçar as capacidades financeiras, técnicas e comerciais do grupo Mota-Engil, a fim de aumentar as suas atividades em todos os mercados e abrir novas oportunidades para novos desenvolvimentos”, segundo a empresa.

 

Relacionadas

Mota-Engil com prejuízo de cinco milhões no primeiro semestre

A construtora nacional destaca que a carteira de encomendas atingiu um recorde no valor de 5,5 mil milhões de euros.
Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.
Comentários