Emerge Mota-Engil Real Estate prepara-se para investir mais de 400 milhões

A imobiliária da empresa de construção civil tem já uma carteira ativos próprios com áreas brutas de construção superiores a 500 mil m2.

A Emerge Mota-Engil Real Estate Developers pretende colocar para venda no mercado imobiliário mais de 400 milhões de euros nos próximos cinco anos, tendo já previsto o lançamento nos próximos meses de um portefólio de projetos próprios e outros em joint-ventures.

Em comunicado, a empresa de promoção e desenvolvimento imobiliário do Grupo Mota-Engil revela que neste momento já tem uma carteira ativos próprios com áreas brutas de construção superiores a 500 mil m2 e tem como objetivo ser uma ‘solution provider’ para o desenvolvimento de projetos diversificados, que “compreendem a componente residencial, de comércio e/ou de serviços, logísticos, turísticos entre outros”.

De forma a dar resposta ao tema da sustentabilidade, a Emerge aposta na conceção e concretização de soluções imobiliárias inovadoras e sustentáveis que potenciem ao máximo a criação de valor de cada ativo.

Vítor Pinho, CEO da Emerge, salienta a necessidade da empresa em responder de “forma eficiente aos novos desafios, transformando o presente em cada projeto, concebendo e concretizando soluções inovadoras, preparadas para o futuro e reinventando os espaços e a forma como são pensados e vividos nas suas múltiplas utilizações”.

Recomendadas

Poupanças no gás com mecanismo ibérico entre 2,3% e 34,8%

O mecanismo ibérico que colocou um travão aos preços no mercado do gás usado para produzir eletricidade gerou poupanças entre os 2,3% e os 34,8%, nos dias 17 de julho e 07 de julho, respetivamente, segundo dados divulgados esta quarta-feira.

Após multa de 48 milhões, EDP Produção pondera acionar meios legais

O Tribunal da Concorrência confirmou hoje a decisão da Autoridade da Concorrência (AdC), que atribuiu uma coima de 48 milhões de euros à EDP Produção por abuso de posição dominante, com a elétrica a avaliar recurso aos meios legais.

Prevista para este verão, burocracia atrasa decisão sobre saída do Facebook e Instagram da UE

Um regulador de privacidade irlandês agiu contra a Meta (empresa-mãe) devido a um mecanismo de transferência dos utilizadores europeus para os EUA.
Comentários