MPLA promete preservar “de forma incondicional” pensamento de Agostinho Neto

Angola celebra hoje o feriado nacional alusivo ao Dia de Herói Nacional e Fundador da Nação, António Agostinho Neto, cujo centenário é marcado por várias atividades académicas, desportivas e culturais no país. O MPLA exortou os angolanos a promoveram atividades que elevem a educação patriótica dos cidadãos e reiterou compromisso de “preservar, de forma incondicional”, o pensamento político-ideológico de António Agostinho Neto.

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975), em declaração alusiva ao centenário de António Agostinho Neto, primeiro presidente angolano, que se hoje se assinala, destaca o seu “abnegado empenho” na luta de libertação nacional.

“Pela celebração do centenário natalício do Fundador da Nação e Herói Nacional, Dr. António Agostinho Neto, no dia 17 de setembro, o Bureau Político do Comité Central do MPLA reitera o compromisso de preservar, de forma incondicional, o pensamento político-ideológico que norteou a sua ação e abnegado empenho na luta de libertação nacional, que culminou com a proclamação da independência de Angola, no dia 11 de novembro de 1975”, lê-se.

António Agostinho Neto, primeiro presidente angolano e ex-líder do MPLA, proclamou a independência angolana em 11 de novembro de 1975.

Segundo o MPLA, António Agostinho Neto era detentor de um legado projetado no contexto africano e mundial, por isso é recordado pela sua “dedicação à causa da justiça política e social, do desenvolvimento das famílias e da sociedade”.

António Agostinho Neto, que “conquistou pelas referidas ações e mérito próprio, a qualidade de um dos melhores e mais importantes filhos da nação angolana”, desenvolveu ações que emanam da sua dimensão de estadista e humana, com “forte ligação à intelectualidade e à cultura”.

Com o espírito de que “o vigor do MPLA assenta na força do povo”, o Bureau Político exorta os angolanos, “com particular ênfase a juventude, no sentido de promoverem atividades que elevem a educação patriótica dos cidadãos”.

Tendo em vista, assinala, “a necessidade premente de enfrentar e responder, de modo adequado, aos desafios e compromissos tendentes à construção de uma Angola com paz e desenvolvimento”.

O partido governamental enaltece também a participação dos angolanos nas eleições gerais de 24 de agosto passado, em que demonstraram “sentido cívico e patriótico”, que reconduziram o seu presidente e Presidente de Angola, João Lourenço, para o segundo mandato.

O MPLA manifesta ainda “apoio incondicional” ao Presidente da República, encorajando-o a “manter-se firme e determinado” na implementação das ações que visam a consolidação do Estado Democrático de Direito, a estabilidade e o desenvolvimento económico.

Com “permanente foco” na máxima “o mais importante é revolver os problemas do povo”, conclui o Bureau Político dos “camaradas”.

 

 

Recomendadas

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários