MTIC: porque é que esta sigla é tão importante?

MTIC é uma sigla que aparece em todos os contratos de crédito ao consumo e habitação e é o elemento mais importante para o consumidor. Saiba mais.

A sigla MTIC significa “Montante Total Imputado ao Consumidor” e aparece em todos os contratos de crédito à habitação e ao consumo. Este é o elemento mais importante de um contrato de empréstimo porque vai determinar a quantia total que o consumidor terá de pagar quando solicita um financiamento. Fique a saber tudo neste artigo realizado pelo ComparaJá.pt.

Em que consiste?

O MTIC é simplesmente a soma do montante total do empréstimo (capital) com os custos associados ao crédito (juros, comissões bancárias, impostos e outros encargos).

Tome nota:

Para comparar propostas de empréstimos é essencial ter em conta o MTIC em vez da prestação mensal. Por muito que a mensalidade seja fulcral para organizar o orçamento mensal e perceber como não pressionar a taxa de esforço, é o MTIC que indicará verdadeiramente quanto custará o crédito no final.

Ainda assim, é preciso ter atenção a outro fator. Nos contratos com taxa variável, como é o caso do crédito à habitação indexado à EURIBOR, o MTIC torna-se meramente indicativo, uma vez que a prestação mensal (devido à flutuação das taxas de juro) estará dependente das oscilações do mercado.

Regra geral, quanto mais elevada for a taxa de juro, mais elevado será o MTIC, uma vez que os juros a liquidar serão maiores. Da mesma forma, quanto maior for o prazo contratado, à partida mais elevado será o MTIC, na medida em que se pagarão mais juros.

O MTIC é indicado na FINE (Ficha de Informação Normalizada Europeia) do empréstimo que o banco ou instituição financeira são obrigados a fornecer ao cliente antes de este aceitar uma proposta de financiamento.

A FINE é o documento que contém todas as informações sobre o crédito em questão, nomeadamente: a identificação da entidade bancária, as taxas de juro aplicadas, o MTIC, as garantias bancárias requeridas, as comissões e os custos associados ao contrato, entre outras informações.

Em que parte da FINE é possível consultar o MTIC?

Na Ficha de Informação Normalizada (FIN) de um crédito ao consumo constará da secção referente ao “Custo do Crédito” e também na área do Plano Financeiro do Empréstimo.

Na FINE (Ficha de Informação Normalizada Europeia), no caso do crédito à habitação e de outros créditos garantidos por hipoteca, o MTIC encontra-se na secção “Principais caraterísticas do empréstimo”, no campo “Montante total a reembolsar (MTIC)”.

Quanto poderá ser o MTIC de um crédito?

Exemplo de crédito pessoal: 6 mil euros a 3 anos (36 meses)

Tome-se o exemplo de um casal, a Joana e o André, que se vão casar brevemente e que pretendem fazer a sua lua de mel nas Maldivas. Visto que não dispõem do montante necessário (6 mil euros) para realizar esta viagem de sonho, colocaram a hipótese de pedirem financiamento para o efeito, ao que lhes foram apresentadas as seguintes condições:

  • TAEG: 9,4%
  • TAN: 6,2%
  • Comissões iniciais: 60€
  • Imposto do Selo: 158,40€

Com estas condições, para o prazo e montante pretendidos, o MTIC deste crédito seria de 6.835,80 euros.

Exemplo de crédito à habitação: 150 mil euros a 40 anos (480 meses)

A Ana e o Jorge, um casal com 27 anos, decidiram avançar com a compra da sua primeira casa, avaliada em 214 mil euros e adquirida por 166 mil. Precisaram de solicitar um empréstimo à habitação para 150 mil euros e escolheram um prazo de 40 anos com taxa variável indexada à EURIBOR a 12 meses. Foram-lhes apresentadas as seguintes condições:

  • TAEG: 1,9%
  • TAN: 0,4%
  • Comissões iniciais: 270,40€ (abertura do processo) + 124,80€ (formalização) + 220€ (avaliação do imóvel)

Com estas condições, às quais se juntam mensalmente os seguros de vida e do imóvel, o MTIC deste empréstimo seria de 214.529,47 euros.

O cálculo do MTIC é feito automaticamente quando lhe é apresentada uma proposta de crédito, sendo que é da responsabilidade da respetiva entidade financeira confirmar o valor final antes de assinar o contrato.

Para comparar propostas de crédito e simulações de vários bancos é essencial ter atenção sobretudo ao MTIC. Por muito que a prestação mensal influencie as contas mensais e seja importante para evitar pressionar a taxa de esforço, é o MTIC que irá definir quanto pagará, no final, pelo empréstimo que solicitou. Será este elemento que dirá quanto pagou ao banco por cada euro que pediu emprestado.

Relacionadas

Atenção aos juros no crédito consolidado. Para que serve?

Já pensou em consolidar créditos para aliviar o seu orçamento mensal? Descubra aqui tudo sobre o crédito consolidado, bem como os cuidados que deve ter.

Como ler a FINE de um crédito habitação?

A única forma de garantir que possui as melhores condições para comprar casa é comparar diversas propostas bancárias através da FINE. Descubra como.

É possível pedir um empréstimo pessoal com problemas bancários?

Será possível pedir um empréstimo pessoal com problemas bancários? Descubra aqui a resposta e saiba como evitar problemas financeiros no futuro.

O seu crédito foi recusado? Veja o que pode fazer

Teve o seu pedido de crédito recusado e não sabe o que fazer? Descubra como proceder e consiga a aprovação do seu empréstimo.

Quer comprar casa? Eis três erros que não quer cometer

A decisão de comprar casa não costuma ser tomada de ânimo leve. O ComparaJá.pt mostra 3 erros que não deve cometer quando compra uma nova habitação.

Como renegociar crédito? Tudo o que precisa de saber

Antes de falar com o banco para renegociar crédito existem aspetos a considerar. Saiba tudo e reduza o valor total da dívida e a sua prestação mensal.
Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.
Comentários