Mudanças atiram ensino da Matemática para “mínimos históricos inexplicáveis”, revela Sociedade de Matemática

A Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) acusou hoje o Ministério da Educação (ME) de atirar a aprendizagem da Matemática no ensino secundário para “mínimos históricos inexplicáveis”, apontando “múltiplos e graves problemas” às aprendizagens essenciais (AE) homologadas.

As propostas de alteração ao currículo da Matemática no ensino secundário homologadas a 13 de janeiro pelo ME, entraram em discussão pública em junho do ano passado sendo o resultado de um grupo de trabalho criado em 2018 para avaliar os problemas do ensino da disciplina em Portugal, analisar o modelo em vigor, definido no mandato do ex-ministro Nuno Crato.

“Ponderado o conhecimento matemático e pedagógico-didático que preconizava a proposta, a SPM debateu e identificou no trabalho curricular proposto múltiplos e graves problemas – que se mantêm no documento homologado –, com repercussões diretas no futuro académico dos alunos que venham a ser a ele sujeitos”, criticou a SPM em parecer hoje divulgado.

Entre as críticas da sociedade científica estão “um grande retrocesso” no ensino da disciplina, ao voltar-se a opções “nefastas” como o “uso intensivo de calculadoras ou de meios tecnológicos para formular conjeturas sem a devida validação por processos analíticos”, assim como “alterações profundas” que “impedem um bom entendimento de várias matérias, a aquisição de conhecimentos matemáticos e o desenvolvimento de capacidades próprias para este nível de ensino, encaminhando a aprendizagem nesta disciplina para mínimos históricos inexplicáveis”.

A SPM defende que o anterior programa estava associado a “uma melhoria dos desempenhos dos alunos em vários indicadores” e critica o grupo de trabalho por “omitir” essa correlação nas suas conclusões, assim como o ME, no que diz respeito ao documento homologado.

“A versão final não corrige nem os erros de natureza científica7, nem os de natureza pedagógica, pelo que não se pode considerar um documento legítimo enquanto orientador de uma tão nobre e necessária tarefa como é a de ensinar Matemática”, defende a SPM.

Para a associação científica, está em causa “os progressos no ensino da Matemática duramente conquistados”, e as alterações aprovadas configuram “um retrocesso” a “conceções antiquadas e anticientíficas predominantes há 50 anos e completamente ultrapassadas pela investigação científica moderna”, defendendo também que o documento consagra a “superficialidade no tratamento de vários temas”, o que, entre outros aspetos, prejudica a “devida preparação em matemática de jovens para cursos do ensino superior”.

“O enquadramento criado pelas AE leva a que a SPM não possa omitir uma clara preocupação pelas desigualdades que dele possam resultar na qualidade da aprendizagem e no sucesso escolar dos alunos. Na verdade, alunos que queiram prosseguir áreas científicas com forte componente matemática vão ter um conhecimento matemático muito insuficiente, o que condicionará decisivamente o sucesso no ensino superior e na prática profissional consequente”, lê-se no parecer da SPM.

Para a sociedade científica “apenas a reconhecida competência e o bom senso dos professores poderão permitir superar alguns dos problemas apontados” e afirma que “tudo fará para mitigar os efeitos que uma aplicação estreita destas Aprendizagens Essenciais poderá trazer ao Ensino da Matemática em Portugal”.

“A SPM não pode deixar de lamentar veementemente e de forma pública este extemporâneo e progressivo desmantelamento de pilares estruturantes em que se apoia a Escola portuguesa, depois dos progressos de décadas tão duramente conquistados pelos nossos alunos e respetivas famílias e escolas – num processo que, se não cessar com brevidade, trará consequências que levará outras décadas a corrigir”, conclui a sociedade científica.

As mudanças no ensino da Matemática no ensino secundário devem entrar em vigor em 2024.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 3 de fevereiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.

Sindicatos rejeitam acordo global e dez acordos “a granel” propostos pelo Ministério da Educação

O líder da Fenprof admitiu avanços em algumas áreas na negociação com o Governo. Contudo assume desacordos, linhas vermelhas e propostas que diz serem inaceitáveis.

FENPROF ameaça fazer queixa se professores forem impedidos de fazer greve devido a serviços mínimos

O sindicalista denunciou um caso que terá ocorrido em Faro em que professores terão sido impedidos de estar numa reunião sindical tendo sido invocado para o efeito os serviços mínimos.
Comentários