Multivision quer contratar 300 colaboradores até ao final do ano na área das TI

Com a expectativa de dar continuidade ao processo de crescimento, no ano em que celebra 15 anos de existência, a Multivision aponta como principal objetivo atingir os 15 milhões de euros em receitas, pressupondo um crescimento entre 40% a 50%. Para tal, a tecnológica quer duplicar o número de colaboradores atuais até 2025.

A tecnológica portuguesa, Multivision, quer contratar 300 colaboradores até ao final de 2022, especificamente para a área das Tecnologias da Informação (TI). Apesar do talento português ser prioridade, a empresa confessa que a escassez de mão de obra poderá ditar a expansão deste processo de recrutamento a outros países.

Com a expectativa de dar continuidade ao processo de crescimento, no ano em que celebra 15 anos de existência, a Multivision aponta como principal objetivo atingir os 15 milhões de euros em receitas, pressupondo um crescimento entre 40% a 50%. Para tal, a tecnológica quer duplicar o número de colaboradores atuais até 2025.

De forma a atingir os objetivos propostos e, simultaneamente, captar o talento nacional, Edson Leite, presidente-executivo da Multivision, explica que “Não seguimos uma estratégia suportada por benefícios específicos. Todo o ambiente que proporcionamos aos nossos colaboradores, seja de trabalho ou de lazer e bem-estar, faz há muitos anos parte do nosso ADN e não é visto por nós como benefícios, mas como algo que toda a gente deveria ter. Não é por termos massagistas, mesas de matraquilhos, um clube de vinho ou outros elementos que as pessoas ficam”.

“Portugal é um país com fantásticos profissionais. Talento realmente qualificado. Mas não deixa de ser um país pequeno com poucos recursos para o conjunto apelativo de projetos que existem disponíveis. Não há nenhuma empresa de TI, que queira ser realmente competitiva no mercado, que não esteja a contratar recursos fora de Portugal. A nossa estratégia passa sempre pelo talento português, mas também por contratar profissionais qualificados lá fora, sendo que neste caso o objetivo é trazê-los para Portugal. Vamos alargar o trabalho em alguns mercados, como é o caso do Brasil, e explorar novos, como o Paquistão e a Índia”, admite o responsável.

Com inúmeros projetos nacionais e internacionais junto de software houses, operadores de telecomunicações e de empresas com necessidades de talento altamente qualificado e especializado na área das TIC, a empresa quer manter a sua estratégia de expansão em solo nacional e internacional, onde já está presente em países como a Noruega, Fiji, Países Baixos ou Angola. O negócio internacional neste momento representa entre 20% e 25% do volume de negócios.

“Nós temos muitos projetos, mas procuramos sempre ligar as pessoas certas às oportunidades perfeitas para elas. Não temos um pacote único de ordenado e benefícios que acenamos aos recursos. Tentamos conhecer as pessoas, perceber o que elas querem e entregar-lhes isso. Tudo o resto nós proporcionamos porque faz parte da nossa forma de estar”, defende Edson Leite.

A oferta de recrutamento conta com serviços de Sourcing, Nearshore e SW Development, e ainda com o sistema de planeamento, otimização e gestão de redes METRIC – uma plataforma SaaS (Software as a Service) cuja propriedade, desenvolvimento e respetiva gestão, é exclusiva da Multivision.

Recomendadas

A partir de janeiro é necessário reservar e pagar taxa para entrar em Veneza

A partir de 16 de janeiro de 2023 será obrigatório reservar a entrada e pagar taxa na cidade italiana de Veneza, que se tornará a primeira do mundo a adotar este sistema para controlar o turismo de massas, anunciou hoje a Câmara Municipal.

Transportes rodoviários com mais descontos na Lezíria do Tejo a partir de hoje

Os passes municipais e intermunicipais passam a beneficiar de um desconto de 50%, bem como o passe inter-regional Lezíria do Tejo/Alentejo Central e o passe Inter-regional Lezíria do Tejo/Área Metropolitana de Lisboa.

“Aqueles que podem gastar são bem-vindos”. Butão reabre ao turismo em setembro

Os turistas terão de pagar uma “taxa de desenvolvimento sustentável” de 200 dólares por turista por noite para compensar o impacto carbónico dos visitantes, segundo as autoridades. Em comparação, nos últimos 30 anos a taxa ficava-se nos 65 dólares/noite.
Comentários