Mundial2022: Bloco de Esquerda apela a Marcelo Rebelo de Sousa que não vá ao Catar

A coordenadora do Bloco de Esquerda apelou hoje ao Presidente da República para não ir ao Catar, onde decorrerá o Mundial de Futebol, lembrando que “não se pode esquecer” as condições dos trabalhadores que montaram as estruturas do evento.

João Relvas/Lusa

“Não podemos esquecer as condições dos trabalhadores”, afirmou Catarina Martins quando questionada hoje, em Lisboa, pelo jornalistas sobre as declarações do Presidente da República na quinta-feira.

Após o jogo entre Portugal e a Nigéria, Marcelo Rebelo de Sousa, disse que “o Catar não respeita os direitos humanos”, mas que vai assistir ao Portugal-Gana, em 24 de novembro.

“O Catar não respeita os direitos humanos. Toda a construção dos estádios e tal…, mas, enfim, esqueçamos isto. É criticável, mas concentremo-nos na equipa. Começámos muito bem e terminámos em cheio”, disse o Presidente, após a vitória de Portugal.

Depois do apelo a Marcelo Rebelo de Sousa, Catarina Martins lembrou que durante a construção das estruturas que vão receber o Mundial de Futebol mais de 6.500 pessoas morreram.

Catarina Martins falava à porta do hospital São José, em Lisboa, onde a Frente Comum também esteve para fazer um primeiro balanço do início da greve nacional dos Trabalhadores da Administração Pública.

Recomendadas

Mundial. Marrocos elimina Espanha e pode defrontar Portugal nos quartos

Marrocos qualificou-se hoje para os quartos de final do Mundial de futebol de 2022, ao vencer a Espanha por 3-0, no desempate por penáltis, no sétimo encontro dos ‘oitavos’, em Doha, marcando encontro com o vencedor do Portugal-Suíça.

Renato Paiva é o novo treinador do ‘promovido’ Bahia

O português Renato Paiva é o novo treinador do Bahia, assumindo a equipa no regresso à Série A brasileira de futebol e dias depois de a SAD do clube ser adquirida pelo Grupo City.

Liga Portuguesa é “exemplo internacional” no combate à corrupção, diz Pedro Proença

O Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional considerou que a Liga portuguesa tem vindo a “consolidar” um “caminho de rigor, transparência e credibilidade”.
Comentários