Município de Cascais introduz criptomoeda própria para impulsionar economia circular

O lançamento oficial da criptomoeda ainda não tem data marcada, mas o projeto é assumido pelo autarca como um dos principais projeto daquele que será o seu terceiro e último mandato.

Chama-se ‘Cashcais’ e tem como objetivo “dinamizar a economia local no concelho” segundo a autarquia liderada por Carlos Carreiras. A nova criptomoeda nasceu de uma parceria entre a Câmara Municipal de Cascais e a Nova SBE, e será usada principalmente na promoção do sector social e ambiental, avança o “Diário de Notícias”, esta segunda-feira, dia 27 de dezembro.

Carreiras afirma que esteve a trabalhar “há mais de um ano com a Universidade Nova de Lisboa, com a Nova SBE, exatamente para montar todo este processo da moeda digital local, muito assente nos três principais vetores da sustentabilidade: o ponto de vista social, ambiental e vista económico”.

O lançamento oficial da criptomoeda ainda não tem data marcada, mas o projeto é assumido pelo autarca como um dos principais projeto daquele que será o seu terceiro e último mandato.

Recomendadas

Proteção Civil avisa para cheias e inundações no sul do país até segunda-feira

Para segunda-feira, as previsões são de “períodos de chuva ou aguaceiros, mais frequentes e intensos na região Sul, com possibilidade de ocorrência de trovoada” e “vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante leste, sendo moderado a forte (30 a 40 km/h) do quadrante sul na região Sul até ao meio tarde, e nas terras altas, com rajadas até 70 km/h”.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.
Comentários