Muro de Donald Trump vai ter “portas grandes e bonitas” para imigrantes legais

O próximo Presidente norte-americano agradeceu à comunidade afroamericana o abstencionismo nas eleições do mês passado

Mike Segar/Reuters

O Presidente eleito dos Estados Unidos da América, Donald Trump, afirmou ontem que o muro que pretende construir na fronteira com o México terá “portas grandes e bonitas” para a passagem de imigrantes legais.

“Vamos construir um muro genial e vamos acabar com a imigração ilegal. Vamos ter portas grandes e bonitas no muro, mas [os imigrantes] vão entrar legalmente”, disse, num comício em Grand Rapids (Michigan) incluído na “tournée de agradecimento” pela vitória nas eleições presidenciais.

No Michigan, Trump agradeceu aos eleitores a confiança, prometeu o fim das deslocalizações das fábricas, baixar impostos, construir o muro na fronteira com o México, acabar com o grupo terrorista Estado Islâmico e Forças Armadas dignas.

O próximo Presidente norte-americano agradeceu à comunidade afroamericana o abstencionismo nas eleições do mês passado, que aumentou em relação a votações anteriores. “A comunidade afroamericana foi genial connosco. E francamente, se tinham dúvidas, não votaram, e isso foi quase igualmente bom. Muita gente não foi votar porque não gostava de mim”, afirmou.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários