Museu de São Roque integra maior rede de museus do mundo

A Igreja e o Museu de São Roque já fazem parte da maior plataforma internacional de museus: o Google Art Project. Trata-se de um dos projetos mais emblemáticos a nível global que promove a democratização da cultura, e que conta agora com mais dois espaços portugueses colocando a Cultura Santa Casa acessível a todo o […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Igreja e o Museu de São Roque já fazem parte da maior plataforma internacional de museus: o Google Art Project. Trata-se de um dos projetos mais emblemáticos a nível global que promove a democratização da cultura, e que conta agora com mais dois espaços portugueses colocando a Cultura Santa Casa acessível a todo o mundo.

Ao fazer parte deste projeto, a Santa Casa reforça um dos seus grandes objetivos estratégicos: promover e facilitar o acesso de todos à Cultura. Ao mesmo tempo, abre a porta não só do Museu e da Igreja de São Roque, mas dá também um primeiro passo no sentido de vir a integrar, no futuro, novos espaços nesta plataforma.

“Com a presença no Google Ar Project, a Santa Casa abre as portas do seu património, permitindo que qualquer pessoa, em qualquer ponto do mundo, possa conhecer 85 obras no interior da Igreja e do Museu de São Roque e, assim, partilhar o seu valor”, afirma Margarida Montenegro, diretora da Cultura da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML).

Segundo a responsável, a presença do património da Santa Casa nesta plataforma é um passo muito relevante: “Este projeto é a demonstração do verdadeiro “networking na arte”. Nunca os museus tiveram tantos potenciais visitantes, a arte foi tão acessível e a qualidade do seu usufruto tão rica. É uma oportunidade única, através da qual o património histórico e  artístico da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa fica acessível a uma escala global, à distância de um clique”.

Este projeto da Google, que marcou a diferença e revolucionou a forma de aceder à cultura, permite atualmente chegar a mais de 800 museus e galerias em 60 países, através da internet, e vê agora reforçada a presença portuguesa, totalizando oito espaços nacionais.

Democrático, gratuito, sempre disponível e sem horários, o Google Art Project veio mudar o paradigma da investigação e da construção artística, permitindo aceder a milhares de expressões artísticas em centenas de espaços diferentes, tornando-os acessíveis e conhecidos. “Hoje, graças a uma tecnologia de altíssima definição, é possível apreciar desde arte helénica milenar até uma visita guiada 3D à arte urbana de uma qualquer cidade. Há um conjunto de obras online que até agora eram desconhecidos do público, dos artistas e até da comunidade científica”, reforça Margarida Montenegro.

O Museu e a Igreja de São Roque juntam-se assim a outras instituições culturais de renome em todo o mundo, como o Metropolitan em Nova Iorque, o Palácio de Versalhes em Paris, ou o Museu Rainha Sofia em Madrid.

OJE

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.