Mutualista Montepio com lucros de 40 milhões de euros em 2021 (com áudio)

A Associação Mutualista Montepio Geral vai levar esta quinta-feira à Assembleia dos Representantes o relatório e contas de 2021 (das contas individuais). Dia 31 de março é de resto a data limite para a aprovação das contas de 2021 a apresentar pelo Conselho de Administração liderado por Virgílio Lima. 

Cristina Bernardo

A Associação Mutualista Montepio Geral vai levar esta quinta-feira à Assembleia dos Representantes o relatório e contas de 2021 (das contas individuais). Dia 31 de março é de resto a data limite para a aprovação das contas de 2021 a apresentar pelo Conselho de Administração liderado por Virgílio Lima.

O Jornal Económico sabe que os resultados líquidos da Mutualistas são positivos em cerca de 40 milhões de euros. O que compara com prejuízos de 17,9 milhões em 2020.

Contactada a Associação Mutualista confirmou a reunião do novo órgão social que, com os novos estatutos, veio substituir o Conselho Geral, e que é liderado por Conceição Zagalo desde que o padre Vítor Melícias se demitiu, mas não revelou a ordem de trabalhos da reunião.

Segundo apurou o Jornal Económico, os lucros da Associação Mutualista Montepio Geral, dona de mais de 99% do Banco Montepio e da Montepio Seguros, são explicados por vários factores. Um deles é a subida das taxas de juro que permitiram a libertação das provisões técnicas nas modalidades mutualistas, devido à adequação das responsabilidades.

Depois houve um reconhecimento de mais ativos por impostos diferidos, porque o montante de subscrições das modalidades de capitalização foi superior ao montante das amortizações. O aumento do ativo por impostos diferidos está associado a provisões técnicas constituídas, por via da subscrição das modalidades.

Por outro lado não foi preciso constituir mais imparidades para o valor do Banco Montepio e da Montepio Seguros. Segundo apurou o JE, o valor das participadas financeiras no balanço da Mutualista manteve-se, não tendo sido registadas mais imparidades.

Em 2020, o valor da participação do Montepio Geral Associação Mutualista no capital social do Banco Montepio totalizava 1.500 milhões de euros, correspondente a um valor bruto de investimento de 2.375 milhões de euros, ao qual está associada imparidade no montante total de 875 milhões de euros.

Também a Montepio Seguros (Lusitânia) manteve em 2021 o valor de 120,3 milhões que tinha sido reportado em 2020.

Os investimentos nas participadas “são mensurados ao custo de aquisição, deduzido de perdas por imparidade, sendo estas apuradas tendo por base a diferença entre o valor recuperável dos investimentos e o seu valor contabilístico”. Sendo que o valor recuperável determinado corresponde ao maior valor obtido, de entre o valor em uso e o justo valor, líquido de custos de venda, explica o relatório de 2020.

Segundo apurou o JE, os auditores voltam a repetir as reservas às contas que têm feito nos últimos relatórios e contas. A PwC tem dito que a Mutualista não apresenta capacidade de gerar lucros futuros que “permitam recuperar parte substancial dos ativos por impostos diferidos registados”. Portanto a auditora considera que os fundos próprios da Mutualista Montepio podem estar sobreavaliados.

Nas contas de 2020 a PwC apresentou uma reserva às contas precisamente por causa da contabilização dos ativos por impostos diferidos. “Em conformidade com a norma internacional de contabilidade IAS 12 (impostos sobre o rendimento) a recuperabilidade de ativos por impostos diferidos deve ser avaliada em função da obtenção de resultados tributáveis, os quais deverão ser projetados excluindo as componentes tributáveis originadas por novas diferenças temporárias dedutíveis”, dizem os auditores que sustentam que os resultados projetados da Associação Mutualista não são suficientes para que exista uma recuperação substancial dos ativos por impostos diferidos registados, o que, consequentemente, conduz a uma sobrevalorização dos ativos por impostos diferidos e dos capitais próprios

Recorde-se que a Mutualista Montepio teve um prejuízo nas contas consolidadas de 86 milhões de euros em 2020, após um lucro de nove milhões de euros um ano antes. O que é justificado pelos prejuízos de 81 milhões do Banco Montepio.

Recomendadas

Autoridades realizam buscas em empresa de Mário Ferreira

Em causa estão suspeitas de fraude fiscal e branqueamento no negócio de compra e venda do navio Atlântida.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Mário Ferreira diz que empréstimo do Banco de Fomento à Pluris tem juro até 9,5%

O Banco Português do Fomento (BPF) aprovou a candidatura de 12 empresas ao Programa de Recapitalização Estratégica do Fundo de Capitalização e Resiliência (FdCR) no valor de 76,7 milhões de euros. Dos quase 77 milhões de euros, 40 milhões foram aprovados para a Pluris. 
Comentários