Na próxima quarta-feira a Câmara de Lisboa aprecia projeto do edifício do Diário de Notícias

A Câmara Municipal de Lisboa vai apreciar na próxima quarta-feira um pedido de informação prévia de um promitente-comprador que quer reabilitar e ampliar o edifício onde funcionou o Diário de Notícias.

O emblemático edifício onde funcionou o Diário de Notícias durante 76 anos, tem sido objeto de alguma curiosidade, visto que se tem noticiado que irá receber um edifício residencial com 32 fogos e um espaço comercial.

Segundo a proposta a que a agência Lusa teve hoje acesso, o promitente-comprador, André Ricardo de Brito Caiado, submeteu, em agosto de 2015, um “requerimento sobre a viabilidade do licenciamento de obra de alteração” referente ao prédio situado nos números 266-266A da Avenida da Liberdade e 111 a 111E da Rua Rodrigues Sampaio, na freguesia de Santo António.

A Lusa adianta que no documento assinado pelo vereador manuel Salgado, “a proposta preconiza a viabilidade de alteração, incluindo a legalização de obras executadas ao longo dos anos do edifício do jornal do Diário de Notícias, dotando-o de características técnicas, funcionais e estéticas adequadas aos usos propostos: habitação (32 fogos), comércio (1 espaço comercial) e estacionamento (44 lugares)”.

No documento refere-se que “esta operação urbanística implica, também, a viabilidade de alteração de fachada de um edifício distinguido com o Prémio Valmor”.

Manuel Salgado recorda, no entanto, que o imóvel está abrangido pelo Plano de Urbanização da Avenida da Liberdade e Zona Envolvente e pela Zona de Intervenção do Aeroporto Humberto Delgado.

Acresce que este é um imóvel classificado como de interesse público, razão pela qual está na Zona de Proteção da Direção-Geral do Património Cultural e na Zona Especial de Proteção conjunta dos Imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente.

Também a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), chamada a pronunciar-se sobre esta operação urbanística, emitiu um parecer favorável condicionado, salientando que deveria ser entregue o “projeto de execução de arquitetura e demais especialidades, de forma a verificar a sua adequação patrimonial para o imóvel classificado”.

A mesma entidade adianta ainda que, “no desenvolvimento futuro do projeto, deverá ser mantido o vão de ligação da caixa de escada comum ao terraço coberto (antigo ‘alpendrado’)” e deve-se também “ponderar/estudar de forma cuidada a proposta de substituição das caixilharias para a fachada principal, elemento arquitetónico que se considera decisivo na conceção original do projeto”.

Também a direção municipal de Urbanismo deu um parecer favorável condicionado.

Convém lembrar que na passada quarta-feira, o movimento cívico de Lisboa Fórum Cidadania Lx foi ouvido na Assembleia da República, onde chamou a atenção dos deputados para necessidade de preservação do edifício e do espólio do Diário de Notícias. Em declarações à agência Lusa no final da audição, o representante do Fórum Cidadania LX, Paulo Ferrero, disse esperar que “a Assembleia da República, por via da comissão, aprove uma resolução para que a DGPC exerça a suas competências” na proteção “da fachada, dos painéis do Almada Negreiros, da caixa do elevador, da porta giratória, dos frisos, que proteja o que ainda há”.

Recomendadas

Proteção Civil avisa para cheias e inundações no sul do país até segunda-feira

Para segunda-feira, as previsões são de “períodos de chuva ou aguaceiros, mais frequentes e intensos na região Sul, com possibilidade de ocorrência de trovoada” e “vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante leste, sendo moderado a forte (30 a 40 km/h) do quadrante sul na região Sul até ao meio tarde, e nas terras altas, com rajadas até 70 km/h”.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.
Comentários