Na última reunião do ano, Fed mantém taxa de juro inalterada

O Federal Open Market Committee (FOMC) decidiu manter a taxa de juro diretora fixada num intervalo entre 1,50% e 1,75%.

A Reserva Federal (Fed) norte-americana manteve esta quarta-feira a taxa de juro diretora (federal funds rate) inalterada, em linha com as expetativas dos analistas. A taxa de juro diretora continua fixada num intervalo entre 1,50% e 1,75%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.

“O comité julga que a atual posição da política monetária é apropriada para apoiar a expansão sustentada da atividade económica, as condições fortes no mercado laboral e a inflaçõa perto da objetivo simétrico de 2%”, referiu a Fed, em comunicado.

Adiantou que vai continuar a monitorizar as implicações da informações que receber sobre as perspetivas económicas, incluindo desenvolvimentos globais e as ténues pressões da inflação, à medida que avalie o percurso apropriado para o intervalo alvo da federal funds rate.

Na última reunião, em outubro, o banco central já tinha sinalizado que após o terceiro corte do ano poderia interromper o ciclo de descidas no custo do financiamento, ao omitir a frase “agir de forma apropriada para sustentar a expansão económica”.

A descida da federal funds rate em outubro foi a terceira este ano. A 31 de julho, o banco central liderado por Jerome Powell anunciou um corte de 25  pontos base, o primeiro em mais de uma década e que representou uma viragem na política monetária da maior economia do mundo. Outro corte, pelo mesmo valor, seguiu-se a 18 de setembro.

Desde 2015, a Fed prosseguia num processo de ‘normalização’ dessa política, tendo no ano passado subido a taxa de juro quatro vezes até chegar ao intervalo de 2,25% a 2,50%, mas Powell tem identificado os riscos negativos que o outlook da economia dos Estados Unidos enfrenta, nomeadamente a guerra comercial com a China, o abrandamento da economia global e a ténue inflação.

A Fed manteve ainda as projeções de crescimento divulgadas em setembro, ou seja, de expansões de 2,2% este ano, 2% em 2020, 1,9% em 2021 e 1,8% em 2022.

[Atualizada às 19h08]

Relacionadas

‘Dot plot’ mostra que a Reserva Federal não quer mexer nos juros em 2020

Esta quarta-feira esse comité manteve a taxa de juro inalterada no intervalo de 1,50% a 1,75%. Segundo o ‘dot plot’, 13 dos 17 membros vêem o custo do financiamento inalterado até final de 2020, enquanto os restantes quatro prevêem apenas uma subida de 25 pontos base.  

Fast forward, pause, rewind. O filme de Powell na Fed procura novo momento de pausa

Após três cortes sucessivos, o banco central dos Estados Unidos deverá manter a taxa de juro diretora inalterada. O foco deverá estar, portanto, na conferência de imprensa do ‘chairman’ Jerome Powell e nas pistas da Fed quanto ao rumo da política monetária em 2020.
Recomendadas

Foram criadas quase tantas empresas este ano como em 2019

Os primeiros 11 meses de 2022 ficaram marcados por um crescimento do número de novas empresas e por um recuo das insolvências. Isto apesar da incerteza e da subida dos custos, que acabou por ser agravada pela guerra na Ucrânia.

Economia portuguesa abranda, mas cresce mais do que a média europeia

A economia portuguesa cresceu 4,9%, no terceiro trimestre, abrandando em comparação com a variação registado nos três meses anteriores. Ainda assim, Portugal conseguiu crescer mais do que a média da UE e da zona euro.

Preço das casas para arrendar em Portugal subiu 2,9% em novembro

No final do mês de novembro, arrendar casa tinha um custo de 12,5 euros por metro quadrado.
Comentários