Não apresentar candidato próprio a Lisboa é “suicídio”

Líder da concelhia pressiona Passos a tomar decisão sobre a a capital. Se o próprio não avançar, terá de ser “alguém ao nível dele”. Montenegro reitera que não é candidato.

Os dias passam e continua incerta a estratégia do Partido Social Democrata (PSD) para a capital. E as duas opções em cima da mesa – o partido avançar com um candidato próprio ou apoiar Assunção Cristas, do CDS-PP – estão a agravar as divergências internas no partido. O vice-presidente da concelhia lisboeta, Rodrigo Gonçalves, defende que não apresentar candidato próprio a Lisboa é “suicídio” e também desrespeitar a cidade e os eleitores.

Este social-democrata tem defendido publicamente a necessidade de apresentar uma candidatura própria. Em declarações ao Jornal Económico, considera que o conflito em torno da Câmara Municipal de Lisboa não causará cisões suficientemente profundas para levar a eleições antecipadas para a liderança do partido, mas reconhece “que há oportunistas” que vão querer aproveitar-se desta fragilidade para atacar a liderança de Passos Coelho.

Nas mãos de Passos

O propósito da concelhia, ao contestar a potencial coligação com o CDS, não é pôr em causa a liderança de Passos Coelho. Rodrigo Gonçalves recusa fazer leituras nacionais no que diz respeito à estrutura do partido – fazê-lo é “dar armas aos inimigos do Passos Coelho”.

O dirigente reconhece, contudo, que é nas mãos de Passos Coelho que está a decisão para pôr fim a este impasse. A concelhia vai reunir no início de janeiro e, posteriormente, será recebida pelo líder do partido, em data ainda desconhecida. A posição a apresentar nesse encontro é já pública, pelo que as reuniões fazem parte de um conjunto convencional de formalidades. O dirigente local refere que “não são só da concelhia” os que não querem que o PSD apoie o CDS e, ao que o Jornal Económico apurou, esta opção é também a dos principais dirigentes.

Uma potencial coligação com o CDS-PP, que Rodrigo Gonçalves descreve como “contranatura”, seria sinal que o PSD estaria a “menorizar” a importância da capital. Lembra, a título exemplificativo, a demissão de António Guterres, então primeiro-ministro, em 2001, após a surpreendente vitória de Santana Lopes na Câmara Municipal de Lisboa.

O dirigente dá conta do desacordo entre a concelhia, por um lado, e a distrital e a coordenação autárquica, assegurada por Carlos Carreiras, por outro. “Temos tido dificuldade em refazer o partido e não podemos permitir que se descredibilize”, frisou, lembrando que “guerras e divisões internas” afetam não só o partido, mas a cidade de Lisboa.

Para Rodrigo Gonçalves, Assunção Cristas terá avançado com “a ideia errada de que teria apoio das estruturas” lisboetas do PSD, sem que o mesmo tenha sido validado com estas estruturas: “Mas não é o CDS o culpado desta situação, é a estratégia do partido, não critico. O que critico é a submissão do meu partido ao CDS.”

O vice-presidente da concelhia do PSD em Lisboa desafiou Passos Coelho a candidatar-se, mas acredita que o repto não será aceite. E não sendo Passos Coelho o candidato, “tem que ser alguém ao nível dele”. A falta de alternativas a Santana Lopes, que recusou concorrer novamente a Lisboa, tem sido apontada como uma das causas do arrastamento deste impasse. Nomes como Maria Luís Albuquerque, José Eduardo Martins (coordenador do programa eleitoral para Lisboa) e Luís Montenegro podem estar em cima da mesa, segundo fontes ligadas ao partido. Contactado pelo Jornal Económico, o líder parlamentar negou esta hipótese: “Não é verdade”.

Rodrigo Gonçalves, por seu turno, prefere não falar em nomes, mas defende que há alternativas e que dizer o contrário só interessa “à distrital e à coordenação autárquica”, com quem tem divergências políticas. O Jornal Económico tentou contactar a coordenação autárquica e a distrital, mas sem sucesso.

Morais Sarmento de fora

Os nomes que têm vindo a público como possíveis candidatos têm afastado esse cenário, por diferentes motivos. Morais Sarmento, antigo ministro de Durão Barroso, foi um deles: “Se [me perguntassem o que] me motivaria mais, disputar as eleições para a Câmara de Lisboa ou para a liderança do partido, diria ‘eleições para a Câmara de Lisboa’. Sem nenhuma hesitação. Porque é uma cidade onde vivo, são os problemas que vivemos todos os dias, onde achamos que podemos fazer diferente. Agora, é difícil e o PSD tornou-o praticamente impossível”, disse, à Renascença.

Recomendadas

Líder da Fretilin propõe relação mais económica entre Portugal e Timor-Leste

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Mari Alkatiri explicou que esse tem sido o tema das conversas com políticos portugueses, entre os quais o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, defendendo uma relação multilateral do quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Governo vai mexer nos escalões do IRS no próximo ano”; “Polícias proibidos de disparar com balas reais contra multidões”; “22 mil milhões de euros para a banca”

Dívida pública federal dos EUA supera 31 biliões de dólares

Aproximando-se do limite legal de 31,4 biliões – um limite artificial colocado pelo Congresso à capacidade de endividamento do governo federal -, a dimensão da dívida confronta uma economia que enfrenta uma inflação elevada, taxas de juro em crescendo e um dólar forte. 
Comentários