“Não é uma reforma, é um corte nos impostos”: o que Warren Buffet diz dos planos de Trump

O segundo homem mais rico do mundo considera que se o presidente dos EUA não conseguir que as mudanças sejam aprovadas, terá de repensar a sua atuação.

Apesar das críticas que tem recebido, o plano de reformas nos impostos nos Estados Unidos, apresentado por Donald Trump, tem bastantes hipóteses de passar no Congresso. Segundo o CEO da Berkshire Hathaway e segundo homem mais rico do mundo, Warren Buffett, se o presidente dos EUA não conseguir que as mudanças sejam aprovadas, terá de repensar a sua atuação.

Chamar à proposta de Trump uma “reforma” é, segundo Buffett, enganoso. O multi-milionário, que tem sido um defensor de mudanças no sistema de impostos nos EUA, afirmou em entrevista ao canal CNBC, que esta não é uma reforma, mas sim um “corte nos impostos” dos mais ricos.

O “Plano unificado para corrigir o nosso falido código fiscal”, apresentado por Trump, contempla uma redução do IRC pago pelas empresas que passará para 20%, dos anteriores 35%. Para as famílias, a reforma pretende diminuir o número de escalões de IRS, de sete para três: 12%, 25% e 35%.

Do plano apresentado por Trump fazem ainda parte o aumento das deduções fiscais para as famílias com filhos e a criação de uma nova dedução para os adultos dependentes, como pessoas idosas ou doentes.

Sobre a possibilidade de ser aprovado, Buffet disse que tem mais probabilidades que a maioria das pessoas pensa. “Se pensarmos nos três grandes tópicos, este é o único que resta este ano e penso que os Republicanos, que controlam tanto o Parlamento como o Congresso e a presidência, não vão querer ter uma paralisação no primeiro ano”, afirmou.

“Penso que conseguem passar. Não é uma reforma nos impostos, é um corte nos impostos”, acrescentou. “Qualquer político que não consiga aprovar uma descida nos impostos está provavelmente na linha errada de negócio”.

No entanto, o plano de Trump já recebeu críticas dos Republicanos. Depois do entusiasmo inicial com o anúncio da maior reforma fiscal nos EUA desde 1980, o senador republicano Bob Corker mostrou que pode não ser assim tão fácil Trump conseguir concretizar a promessa.

“Só me parece é que estamos a adicionar mais moedas ao défice, não vou concordar”, disse o senador do Tennessee, durante uma entrevista ao canal NBC. “Peço desculpa, mas é a maior ameaça para a nossa nação. A maior ameaça para a nossa nação”.

Da mesma forma, a proposta foi alvo de críticas pelo senador republicano Rand Paul, que tweetou: “Isto é um plano fiscal do GOP? Provavelmente 30% da classe média recebe um aumento dos impostos de 30%? Espero que os detalhes finais sejam melhores que isto”.

Relacionadas

Plano fiscal de Trump é o maior risco para as ações este trimestre

O outlook para as ações mundiais no último trimestre do ano é positivo, mas se Trump não conseguir implementar a grande descida de impostos que anunciou, os índices poderão ser penalizados.

Criticada por senadores, reforma fiscal de Trump já enfrenta dificuldades

Se o Senado e o Congresso norte-americanos (ambos controlados pelo Partido Republicano) aderirem às críticas, o presidente dos EUA poderá ter mais uma derrota em mudar leis.

Maior reforma fiscal desde 1980: Trump propõe descida geral de impostos nos EUA

Donald Trump apresentou hoje uma proposta de reforma fiscal que inclui uma descida do IRC em 15 pontos percentuais (de 35% para 20%), o fim do imposto de sucessão e ainda uma redução do número de escalões no IRS, que passará a três.
Recomendadas

Apenas 2,4% dos jovens são sindicalizados. “Temos de repensar os sindicatos”, diz presidente do CNJ

Sindicatos são a forma de participação política com menos força entre os jovens. A conclusão é de um estudo da Universidade Católica para o Conselho Nacional de Juventude. Redes sociais já têm mais peso do que a televisão na interação dos portugueses dos 18 aos 30 anos com a política.

PremiumPatrões querem que todas as despesas de teletrabalho fiquem isentas de IRS

Governo estuda fixar um valor até ao qual as despesas de teletrabalho estão livres de IRS. Patrões consideram positivo, mas avisam: ideal seria todos os pagamentos estarem isentos.

PremiumTaxa dos sacos de plásticos rende 2,1 milhões em sete anos

Receita arrecadada com a contribuição sobre os sacos de plástico leves nunca chegou sequer perto da estimativa do Governo. Retalhistas mudaram gramagem dos sacos, escapando à tributação.
Comentários