Como não ser engolido pelas multinacionais

Há três frentes de aposta obrigatória na transformação digital das PME: um ERP Web, automatismos operacionais de mobilidade logística e a comunicação e integração de sistemas, filiais e colaborares.

A expressão “competir a nível global” é muitas vezes utilizada erradamente. Competir a nível global não é necessariamente ir para mercados estrangeiros. As empresas que só operam no mercado português também competem a nível global. É perfeitamente possível, hoje, uma empresa de bairro ser profundamente afetada por uma multinacional que chega ao mercado.

Todos estamos a competir com empresas globais, que têm um plano de investimento e de expansão, e cujos processos já foram testados e comprovados noutros países. Quando chegam ao mercado nacional há pouca probabilidade desses processos falharem. Por isso, é natural haver empresas confortavelmente instaladas nos seus mercados, onde têm uma posição dominante que, de um momento para o outro, são ultrapassadas por operarem com modelos obsoletos.

Há dois exemplos bem conhecidos. O Domino’s Pizza entrou há pouco tempo no mercado português – com um modelo de sucesso de take away e entrega, um processo bem delineado e comprovado – e conseguiu ocupar um espaço de mercado significativo por ter os processos bem estruturados e automatizados. A Uber é outro exemplo deste fenómeno, sobretudo porque quebra muitas barreiras do passado e ultrapassa todos os modelos que havia em Portugal.

Para conseguirem competir com empresas globais, as PME nacionais devem assumir a necessidade de uma transformação digital. Essa transformação digital implica que deixem de efetuar os seus processos de forma “manual” para os passarem a fazer de forma digital, a partir de um sistema de informação, de um ERP ou de qualquer outra ferramenta de automatização.

O cenário não é otimista neste aspeto. Se olharmos para o nosso tecido empresarial, em que mais de 95% das empresas são PME, na sua generalidade com menos de dez colaboradores, constatamos que essas empresas não estão minimamente preparadas, quer a nível económico, quer a nível de formação, para levar a cabo este tipo de transformação. É evidente que há exceções e existem em Portugal muitas “pérolas”, sobretudo empresas na área das TI. Mas, para a esmagadora maioria das PME, há um longo caminho a percorrer. Se as empresas portuguesas não chegarem ao nível de competência das empresas globais facilmente vão ser ultrapassadas. Mas, como se pode levar a cabo esta transformação digital?

As Tecnologias de Informação têm um grande peso para fazer essa “passagem”. É necessária uma aposta séria, que deve incluir um sistema de gestão de processos, um ERP Web e um workflow que permitam automatizar os processos. O facto de serem ferramentas Web permite uma maior flexibilidade, possibilitando fazer, entre outras coisas, aprovações de encomendas através do telemóvel e comunicações internas, sem requerer qualquer instalação.

É igualmente necessário apostar em automatismos operacionais, sobretudo em sistemas de informação móveis na área da logística, que permitam andar na rua e ter acesso a toda a informação. É essencial conseguir a integração destes sistemas para facilitar o trabalho de todos os colaboradores. É essencial também estar menos dependente das pessoas que se encontram no escritório para serem geridos de forma natural pelos sistemas de informação. Há três frentes de aposta obrigatória: um ERP Web, automatismos operacionais de mobilidade logística e a comunicação e integração de sistemas, filiais e colaborares.

A boa notícia é que estão a aparecer no mercado startups portuguesas que já são desenhadas com uma estrutura e plano de investimento para poderem almejar competir no mercado global. Ainda não são representativas, mas são um passo importante no bom sentido.

Recomendadas

Uma banca portuguesa cada vez mais ‘ibérica’

Uma fusão entre BPI e Novobanco poderia fazer sentido à luz daquela que tem sido a estratégia do CaixaBank para crescer no mercado ibérico.

As pessoas não podem ficar para trás na nova era

Milhões de euros de investimentos e centenas de megawatts. Ao escrever e ler sobre o mundo da energia, é normal que os grandes números sejam abordados, tal a dimensão dos projetos.

A armadilha da inflação

No Orçamento chumbado de outubro do ano passado, a inflação de 2022 foi estimada em apenas 0,9%.
Comentários