“Não foi uma negociação séria”. PCP quer “dar expressão à justa reivindicação” dos professores

Para o Partido Comunista Português, esta decisão de Belém “confronta o Governo com a exigência de dar cumprimento ao que dispõe o Orçamento do Estado para 2018 e que foi confirmado recentemente na Assembleia da República com a aprovação do Orçamento do Estado para 2019”.

“Aquilo que o Governo considerou encerrado não foi uma negociação séria, mas sim a intenção em não levar em linha de conta o tempo integral de serviço”, salientou o deputado comunista António Filipe em reação ao veto de Marcelo Rebelo de Sousa relativamente ao diploma da contagem do tempo de serviço dos professores.

Para o Partido Comunista Português, esta decisão de Belém “confronta o Governo com a exigência de dar cumprimento ao que dispõe o Orçamento do Estado para 2018 e que foi confirmado recentemente na Assembleia da República com a aprovação do Orçamento do Estado para 2019”.

António Filipe salienta que “aquilo que está consagrado é a contagem integral do tempo de serviço, que aliás é um princípio que é aplicável nos termos do Orçamento do Estado não apenas aos professores, mas à generalidade das carreiras e corpos especiais da Administração Pública”.

“O PCP continuará a intervir, como já o fez designadamente no âmbito dos Orçamentos do Estado de 2018 e 2019, para dar expressão à justa reivindicação do direito à contagem integral do tempo de serviço de todos os trabalhadores abrangidos por carreiras e corpos especiais na Administração Pública”, salienta o deputado comunista.

Relacionadas

“Julgava que se tinha virado a página da austeridade”. Ex-ministro da Educação reage à contagem do tempo dos professores

Nuno Crato, membro do anterior Governo, formado pelo PSD e CDS-PP, escusou-se a comentar de forma direta o veto presidencial ao diploma do executivo, acrescentando apenas: “É bom falar sempre verdade”.

Presidente Marcelo já vetou 11 diplomas desde que chegou ao Palácio de Belém

Esta foi a terceira vez que o chefe de Estado devolveu um diploma sem promulgação ao Governo, tendo já usado o veto político noutras oito situações para chumbar decretos vindos da Assembleia da República.

Rio apoia veto e diz que Governo tem de encontrar solução para contagem integral de serviço dos professores

O líder do Partido Social Democrata entende que a recuperação do tempo de serviço não pode ser feita de uma vez e o Governo deve “dar o braço a torcer” e “negociar de espírito aberto”.

Professores: BE diz que veto presidencial traz “nova oportunidade para negociação”

A deputada bloquista Joana Mortágua defende que o Governo deve pôr os olhos nas negociações que foram feitas nas regiões autónomas da Madeira e Açores, onde foi possível chegar a acordo com os professores sobre a devolução do tempo de serviço.

Marcelo veta diploma dos professores

Diploma foi vetado por Belém e volta ao Governo. Decreto-lei reconhece apenas dois anos, nove meses e 18 dias de tempo congelado para efeitos de tempo de serviço, fazendo tábua rasa dos restantes 6,5 anos.
Recomendadas

Manuel Pizarro. “A consequência da violação destas regras é a demissão”, diz Chega

O Chega entregou, esta terça-feira, ao final da manhã “uma participação no Tribunal Constitucional para que abra um processo de averiguações”, explicou André Ventura.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Marcelo defende que Forças Armadas são insubstituíveis e não um “luxo do presente”

O Presidente da República defendeu hoje que as Forças Armadas são insubstituíveis para construir a paz, papel que todos deveriam compreender, negando que estas sejam um “pergaminho do passado” ou um “luxo do presente”.
Comentários