“Não nos peçam para colaborar com o Governo”. Ventura reage a abertura de inquérito sobre mensagens de ódio nas forças policiais

Para o líder do Chega, “a atitude do Governo parece-nos persecutória sobre as forças policiais, a atitude de querer espezinhar toda uma classe com base na participação de mensagens em grupos privados para denegrir a sua imagem. Pior: fá-lo procurando associar estas práticas a um determinado partido que é o Chega”.

André Ventura, presidente da Chega, reagiu esta quinta-feira à notícia de que a Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para determinar se existe a prática de difusão de mensagens de ódio por parte das forças de segurança, referindo que o partido não irá colaborar com o Governo a menos que seja intimado para tal.

A IGAI vai abrir um inquérito à veracidade das notícias que referem a publicação, por agentes das forças de Segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório e que incitam ao ódio, foi ontem divulgado.

Numa nota do gabinete do ministro da Administração Interna é dito que José Luís Carneiro determinou à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) “a abertura de inquérito, imediato, para apuramento da veracidade dos indícios contidos nas notícias de hoje sobre a alegada publicação, por agentes das forças de segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório, incitadoras de ódio e violência contra determinadas pessoas”.

“O Chega é frontalmente contra quaisquer práticas de racismo, de xenofobia ou de discriminação. Queremos que todos tenham direitos e deveres mas que haja este equilíbrio saudável para ninguém esteja acima da lei. E todos, desde os políticos aos militares passando pelos polícias, devem estar nas mesmas circunstâncias”, começou por referir André Ventura no Parlamento.

Para o líder do Chega, “a atitude do Governo parece-nos persecutória sobre as forças policiais, a atitude de querer espezinhar toda uma classe com base na participação de mensagens em grupos privados para denegrir a sua imagem. Pior: fá-lo procurando associar estas práticas a um determinado partido que é o Chega”.

Referiu André Ventura que “o Chega continuará a fazer a luta que tiver de fazer pelas forças policiais, pela sua dignidade e pela injustiça, mas não podemos tolerar que o Governo, para distrair e desviar atenções dos múltiplos casos que acontecem no seu seio, querem tornar o Chega e as forças policiais o bode expiatório dos próximos meses”.

Por fim, André Ventura revelou que o partido “irá colaborar com aquilo que seja solicitado pela Justiça mas não peçam ao Chega que colabore com o Governo para dizer se os policias são próximos do partido, se as suas famílias são próximas… para irem atrás deles, para lhes suspender os salários, as carreiras e a progressão das suas vidas. Não o faremos, a menos que sejamos intimados para tal”.

Relacionadas

GNR apela à denuncia de casos de discriminação, xenofobia e racismo

Numa reportagem da responsabilidade de um consórcio de jornalistas divulgada na quarta-feira foram mostrados conteúdos e frases de conteúdo discriminatório, xenófobo e racista publicadas em redes sociais fechadas, atribuídos a elementos da PSP e da GNR, um caso que já levou a Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) a anunciar a abertura de um inquérito.

IGAI abre inquérito a publicações de militares da GNR e agentes da PSP nas redes sociais (com áudio)

Um consórcio de jornalistas de investigação (Público, Expresso, SIC e Visão) divulgou ontem ao fim do dia que mais de três mil publicações de militares da GNR e agentes da PSP, nos últimos anos, mostram que as redes sociais são usadas para fazer o que a lei e os regulamentos internos proíbem.
Recomendadas

Ricardo Leão: “Falta, acima de tudo, comunicação e coordenação no Governo”. Veja o “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista a Ricardo Leão, presidente da Câmara Municipal de Loures eleito pelo PS.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Presidente do PS pede ao Governo apurado sentido de orientação e maior rigor nas condutas

Este aviso foi transmitido por Carlos César através de uma mensagem vídeo na sessão do PS evocativa dos sete anos de governos socialistas liderados por António Costa, que decorre na estação fluvial do Terreiro do Paço.
Comentários