“Não nos podem vencer”, Manu oferece fotos de Bataclan

O fotógrafo Manu Wino partilhou e permite a utilização livre das suas fotografias do concerto dos Eagles of Death Metal. Em respeito pelas vítimas, o fotógrafo pede que aquelas não sejam utilizadas com fins comerciais.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Porque “eles não nos podem vencer”, o fotógrafo Manu Wino, que estava a fazer a cobertura do concerto do Bataclan, disponibilizou, livre de direitos, fotografias que tirou durante o concerto da banda “Eagles of Death Metal” na sua página de Facebook.

Em respeito pelas vítimas, o autor pede que as fotografias da banda californiana no concerto de Bataclan, Paris, onde pereceram várias dezenas de pessoas, não sejam utilizadas com fins comerciais.

manu

Na sua página no Facebook, Manu Wino diz: “Porque a vida continua. Porque eles não podem vencer. Porque é terrível e porque ninguém consegue voltar à sua vida normal. Porque demasiados amigos (conhecidos e não conhecidos) morreram na sexta-feira à noite. Porque é apenas Rock & Roll”. Por tudo isto, publica as fotos do concerto.

Pelo menos 129 pessoas morreram e outras 350 ficaram feridas após uma série de atentados em Paris na noite de sexta-feira, 13 de novembro de 2015.

Os suspeitos, sete no total, já foram identificados. Um ainda está a monte. Operações policiais estão a realizar-se por toda a França em busca de extremistas islâmicos que tenham ligação com os ataques.

OJE

 

Recomendadas

“Modo goblin”. A recém-eleita ‘palavra’ de 2022 da Oxford espelha o peso da realidade

O termo refere-se a “um tipo de comportamento que é assumidamente autoindulgente, preguiçoso ou desleixado, tipicamente de uma forma que rejeita normas ou expectativas sociais”. “Dado o ano que estamos a viver, o ‘modo goblin’ ressoa em todos nós que estamos um pouco sobrecarregados neste momento”, disse Grathwohl, citado pelo “The Guardian”.

PremiumNancy Pelosi: o render da guarda da guardiã dos velhos democratas

Devidamente independente para uns, demasidado independente para outros, a “louca Nancy Pelosi”, como Trump lhe chamava, é apenas dois anos mais velha que Joe Biden

“Noto em Portugal uma cultura relojoeira cada vez mais robusta”

Enquanto administrador do Grupo Tempus, distribuidor exclusivo para Portugal de marcas de referência, David Kolinski tem a certeza de que as insígnias representadas pela sua empresa continuarão a saber surpreender os seus clientes com lançamentos e coleções inesperadas.