“Não percam a esperança”: Apelo emotivo de Cristiano Ronaldo às crianças sírias

Futebolista português Cristiano Ronaldo pediu hoje para as crianças sírias não perderem a esperança, considerando-as “verdadeiros heróis”, depois de contribuir com um “donativo generoso” para a organização ‘Save the Children’.

“Enquanto a crise na Síria continua a deteriorar-se, o melhor futebolista de 2016, Cristiano Ronaldo, ofereceu hoje uma mensagem de esperança às crianças da Síria. Ronaldo, embaixador da ‘Save the Children’ desde 2013, disse-lhes, à entrada para o sexto ano de guerra, que são ‘verdadeiros heróis’ e entregou um donativo generoso para providenciar ajuda imediata na salvação de vidas e famílias na Síria”, lê-se no comunicado da organização.

A ‘Save the Children’ acrescenta que esta verba, cujo montante não foi revelado, vai ser empregue em comida, roupa, cuidados médicos de emergência e apoio psicossocial a crianças e famílias vulneráveis, que têm vivido durante anos cerceadas e sob constantes bombardeamentos.

“Isto é para as crianças da Síria. Sabemos que têm sofrido imenso. Eu sou um jogador famoso, mas vocês são os verdadeiros heróis. Não percam a esperança. O mundo está convosco. Nós preocupamo-nos convosco. Eu estou convosco”, afirmou o ‘capitão’ da seleção portuguesa, numa mensagem partilhada nas suas redes sociais.

Recomendadas

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.
Comentários