“Não se concentre em mim”. Vídeos anti-muçulmanos geram discórdia entre Trump e May

Depois da primeira-ministra britânica ter criticado Trump por “retweetar” um vídeo do partido de extrema-direita Britain First, o presidente dos EUA apontou as suas armas retóricas para May.

Depois de ter ‘retweetado’ vídeos anti-muçulmanos do partido de extrema-direita inglês Britain First, que mereceu forte condenação da primeira-ministra Theresa May, o presidente norte-americano Donald Trump veio hoje criticar May por se “concentrar” demasiado nele em vez de estar focada nos problemas do seu país.

“Não se concentre em mim, concentre-se no destrutivo Terrorismo Islâmico radical que está a ter lugar no seio do Reino Unido”, escreveu Trump no seu inglês particular.

Os vídeos retweetados por Trump mostravam imagens de violência praticada por muçulmanos no Reino Unido, e foram colocados pela vice-líder do Britain First, Jayden Fransen, condenada o ano passado por ataques a uma mulher muçulmana em Luton.

May acusou o Britain First de “dividir comunidades através do uso de narrativas odiosas que promovem mentiras e acendem tensões”, e considerou que Trump “errou” ao dar eco ao vídeo.

Relacionadas

Trump partilha vídeos islamofóbicos de grupo de extrema-direita

As reações não se fizeram esperar. Presidente dos EUA está a ser alvo de duras criticas por incitar à intolerância religiosa e à discriminação.
Recomendadas

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.
Comentários