Narrativa triunfal de Pequim sobre ‘zero covid’ confrontada com protestos

Após ter passado dois anos a cultivar uma narrativa triunfal quanto à estratégia ‘zero covid’, apesar dos custos económicos e sociais inerentes, a liderança chinesa parece estar encurralada face aos novos protestos da população.

1 – China

Xi Jinping, o líder chinês mais forte desde o fundador da República Popular da China, Mao Zedong, tornou a pandemia numa questão de “prestígio pessoal” e de “supremo interesse nacional”, resumiu Vijay Gokhale, um especialista indiano para assuntos da China, que serviu anteriormente como embaixador em Pequim.

A China conseguiu, efetivamente, extinguir o surto original de covid-19, que surgiu na cidade de Wuhan, no centro do país, no final de 2019. Desde o segundo trimestre de 2020, enquanto várias partes do mundo enfrentavam medidas de confinamento e registavam centenas de milhares de mortos devido à doença, a vida decorreu com normalidade no país asiático.

No primeiro aniversário da pandemia, uma exposição temática sobre a luta de Wuhan contra o surto, organizada no Centro de Exposições de Cultura da China, um pavilhão com 1.800.000 metros quadrados, exaltou o papel do Partido Comunista Chinês, e em particular de Xi Jinping, na “vitória” contra a pandemia.

“Em dois meses, conseguimos derrotar a doença”, disse então à agência Lusa Zhao Xiaosong, um estudante chinês, de 24 anos, que visitou a exposição. “É um feito único a nível mundial”, disse.

Num período de fricções políticas com o Ocidente, Xi apontou então que a competição entre países é, em última análise, uma “competição entre sistemas políticos”. “A gestão da pandemia tornou evidente quais são a liderança e o sistema político superiores”, disse então o líder chinês, num encontro com altos quadros do PCC.

A altamente contagiosa variante Ómicron da covid-19, que surgiu no final de 2021, derrotou, porém, a estratégia chinesa, lançando o país num ciclo de bloqueios extremos sem fim à vista. O sucesso da China em prevenir surtos em larga escala, nos primeiros dois anos da pandemia, significa que a população não desenvolveu imunidade natural ao vírus – um problema que é exacerbado por taxas de vacinação baixas entre os idosos.

Cientistas chineses e norte-americanos previram recentemente que um surto de Ómicron descontrolado faria com que a procura por unidades de cuidados intensivos superasse a oferta em 15,6 vezes, resultando em quase 1,6 milhão de mortes no país.

“A liderança do partido criou a narrativa de que a China lidou com a pandemia muito melhor do que um Ocidente em decadência”, explicou Wuttke. “Agora, esta narrativa está a rebentar na cara deles”.

Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários