Nascem nos EUA dois bebés gémeos de embriões congelados há 30 anos

Um casal norte-americano teve dois bebés gémeos cujos embriões foram congelados e tinham sido concebidos há 30 anos, em 1992, divulgaram esta segunda-feira órgãos de comunicação dos Estados Unidos.

10 – Estados Unidos

Para o Centro Nacional de Doação de Embriões (NEDC, em inglês), estes serão os embriões mais antigos a serem utilizados com sucesso, embora não existam dados globais oficiais para suportar esta informação.

A mãe, Rachel Ridgeway, é apenas três anos mais velha que os embriões, que agora são dois bebés chamados Lydia Ann e Timothy Ronald.

Já a mãe biológica dos bebés era uma doadora de óvulos de 34 anos e o seu pai tinha 50 anos, quando foram concebidos.

A clínica explicou que outros embriões, que seriam irmãos dos atuais, foram implantados em algum momento naquela mulher.

Timothy e Lydia, que nasceram há três semanas, estiveram 15 anos à espera numa clínica de fertilidade da Costa Oeste e depois outros 15 anos armazenados no laboratório da Southeastern Fertility, uma clínica médica afiliada do NEDC.

Segundo o NEDC, o recorde anterior para embriões mais antigos utilizados com sucesso era um de 27 anos.

Recomendadas

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.
Comentários