Natal sem “clichés”

Contudo, uma coisa sabemos: com as crises vem as oportunidades. Pode não parecer neste momento e até para alguns posso estar a ser utópica, mas as crises são dos momentos de maior criatividade e inovação da nossa história.

Falar de Natal no Natal é um “cliché”. Todos o fazemos, muitos o escrevem, a televisão o anuncia, as montras decoradas são sinal óbvio que chegou o mês do pai natal. A partilha de licores, as broas, a habitual caminhada e encontro de “camaradas” no mercado…tudo isto é tradição, é “cliché”! Não gosto muito de falar sobre “clichés”, por isso ao sentar-me para escrever este texto, falar sobre o Natal ou sobre o fim de mais um ano não era, necessariamente, o que tinha em mente. Mas ao pensar e pensar sobre o que aqui escrever, achei que hoje não poderia deixar de falar sobre o Natal, pois, este Natal não é, decididamente, um “cliché”!

Este natal que se celebra dentro de muitos poucos dias é talvez um dos Natais mais “diferentes” da nossa história pessoal e humana. Se há um ano me dissessem que hoje estaríamos assim, expetantes em saber se vamos nos poder reunir com a nossa família neste natal, diria que alguém estaria maluco. Mas 2020 ensinou-nos uma grande lição: esperar o inesperado!

Se o Natal e o fim de mais um ano é, habitualmente, uma época de reflexão sobre o que fizemos, sobre o que gostaríamos de ter feito, este Natal e este ano que está prestes a terminar é uma lição de vida, daquelas que se escrevem nos livros de história, daquelas que se irão contar aos filhos, aos netos, aos bisnetos, aos trinetos, …. A história de 2020 será contada e relembrada por muitos anos vindouros, como aquele ano em que o normal deixou de ser “normal”; aquele ano onde a incerteza passou a ser a “certeza”; aquele famoso ano onde o estarmos juntos “à distância” passou a ter um significado especial.

Mas mais do que isso neste ano que agora termina e apesar de tantos desafios e de tantas lágrimas derramadas não acho que se deva deixar passá-lo sem reconhecer que apesar da dor, também com este ano se aprenderam muitas coisas novas. Aprendeu-se que as profissões outrora “não essenciais” são essenciais: que seria de cada um de nós sem os padeiros, os funcionários de supermercado, os agricultores, os trabalhadores dos hospitais, os investigadores, entre todos os outros que nos ajudaram e continuam a ajudar a sobreviver uma pandemia à escala mundial?  Aprendeu-se ainda que apesar de sermos todos diferentes somente juntos poderemos fazer a diferença e vencer este vírus que mudou a nossa vida. Porém, de todas as lições aprendidas uma mais se pode aprender: resiliência! Mesmo face à dor e ao sofrimento, o ser humano é capaz de se erguer e seguir em frente, pois o “caminho é para a frente”.

Este ano e este natal foram e serão diferentes. Talvez nunca mais voltemos a ser os mesmos. Talvez os próximos natais não voltem a ser iguais aos do passado. Não o sabemos. Não sabemos também como será 2021. Não sabemos quando voltaremos a ser o que fomos e a verdade é que “só sei que nada sei” são das palavras mais sábias e mais atuais neste momento.

Contudo, uma coisa sabemos: com as crises vem as oportunidades. Pode não parecer neste momento e até para alguns posso estar a ser utópica, mas as crises são dos momentos de maior criatividade e inovação da nossa história. Sabemos que muitos negócios vão falir, mas também sabemos que com muita criatividade e desejo de vencer, outros vão emergir. No final de contas, talvez o que importa é mudarmos a perspetiva e questionarmos, tal como o fez Steve Jobs “Queres passar o resto do tempo da tua vida a vender água com açúcar ou queres ter a oportunidade de mudar o mundo?” Se escolhermos mudar o mundo, poderemos fazê-lo. Não precisamos de grandes gestos, mas se fizermos pequenos gestos estes, todos juntos, tornam-se “grandes”. Assim, faça deste natal um natal sem “clichés” ou seja criativo e construa novos “clichés”. Porém, não se esqueça dos pequenos gestos: use a máscara, lave as mãos, diga obrigada, partilhe palavras invés de abraços,…..pois com estes pequenos gestos se constrói um grande gesto para toda a Humanidade e talvez assim mudemos o mundo!

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários