National Aviation Services (NAS) do Kuwait ganhou corrida para ficar com a Groundforce

Na corrida à empresa de handling portuguesa estavam também a Swisspor e a Aviapartners.

A empresa de handling National Aviation Services (NAS) do Kuwait ganhou a corrida para ficar com a Groundforce, apurou o Jornal Económico.

O grupo do Koweit foi o investidor selecionado para participar no processo de elaboração do plano de insolvência, que terá depois de ser aprovado em assembleia geral de credores. Esta escolha, que deixa para trás outros dois candidatos – a Swisspor e os belgas da Aviapartners, ambas com créditos firmados no negócio de handling a nível mundial – foi feita pelos dois administradores de insolvência que conduzem o processo.

O arranque do plano – a ser elaborado pela NAS e pelos administradores de insolvência, Pedro Pidwell e Bruno Costa Pereira – depende de uma decisão importante que ainda está suspensa nas instâncias judiciais: o recurso de Alfredo Casimiro contra a insolvência da Groundforce, decretada pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa em agosto do ano passado. A decisão cabe agora ao Supremo Tribunal de Justiça e, sem ela, o plano de recuperação não é aprovado.

A decisão já foi comunicada pelos administradores de insolvência da Groundforce aos credores.

O responsável máximo da NAS, Hassan El-Houry, já afirmou publicamente que pretende garantir uma gestão portuguesa à GroundForce, mantendo o propósito de criar um grupo internacional com músculo na logística da aviação civil. Além da Groundforce é sabido que a NAS também pretende comprar o grupo britânico de serviços aeroportuários John Menzies, tendo oferecido 469 milhões de libras por este grupo. No entanto, não teve êxito nesse negócio.

A NAS é subsidiária do grupo logístico Agility Public Warehousing Company cotado na bolsa do Kuwait, tem uma capitalização da ordem dos 7.000 milhões de dólares e desenvolve operações nos aeroportos do Médio Oriente, africanos e asiáticos, empregando mais de 6.000 trabalhadores. Entre os seus clientes estão as companhias Emirates, Lufthansa, British Airways e Air France.

Recomendadas

Grupo da transportadora aérea Sevenair aumenta receitas devido aos cursos de piloto

A Sevenair Academy viu o EBITDA fixar-se ligeiramente acima dos 2 milhões de euros no ano passado.

Sérgio Figueiredo contratado para consultor de Fernando Medina

O contrato estende-se por dois anos e Sérgio Figueiredo deverá receber um ordenado equiparado ao de um ministro.

SINTAC reúne com DGERT e ANA/VINCI para discutir serviços mínimos a assegurar agosto

Em causa estão ainda outras medidas defendidas pelo sindicato, desde o aumento de salários, para fazer face à inflação, até ao reforço dos recursos humanos.
Comentários