NATO aumenta número de tropas “em prontidão” de 40 mil para 300 mil

Na cimeira de Madrid, a NATO também vai alterar a postura que mantém sobre a Rússia que, na última publicação da estratégia da aliança, em 2010, ainda era descrita como “parceiro estratégico”.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg, afirmou esta segunda-feira, 27 de junho, que a organização reforçou o número de tropas que mantém “em prontidão” de 40 mil para 300 mil. Adicionalmente, Stoltenberg confirmou a postura da NATO face à Rússia, que desde 2010 era considerada como “parceiro estratégico”, avança a “Reuters”.

“Vamos transformar a força de resposta da NATO e aumentar o número das nossas forças em prontidão para bem mais de 300 mil”, revelou o antigo primeiro-ministro norueguês.

Na cimeira de Madrid, que vai decorrer no final desta semana, a NATO também vai alterar a postura que mantém sobre a Rússia que, na última publicação da estratégia da aliança, em 2010, ainda era descrita como “parceiro estratégico”.

“Esse não será o caso do conceito estratégico que vamos acordar em Madrid. Espero que os aliados afirmem claramente que a Rússia representa uma ameaça direta à nossa segurança, aos nossos valores e à ordem internacional baseada em regras”, disse Stoltenberg.

Recomendadas

Ucrânia: Recrutamento de voluntários para a frente de batalha já chegou às prisões russas

Homens com farda militar visitaram uma prisão em São Petersburgo, onde ofereceram amnistia em troca da integração dos prisioneiros nas forças russas.

Ucrânia. Conferência de doadores garante mais 1.500 milhões para equipamento e treino militar

A conferência internacional de doadores que reuniu 26 países em Copenhaga permitiu arrecadar 1.500 milhões de euros em equipamento e treino para as tropas ucranianas, divulgou esta quinta-feira o ministro da Defesa dinamarquês.

Primeiro navio com cereais ucranianos chega à Turquia e espera comprador (com áudio)

O primeiro navio carregado de milho que deixou o porto ucraniano de Odessa, no Mar Negro, rumo ao Líbano, atracou no porto turco de Mersin e aguarda um comprador para a mercadoria, confirmou fonte diplomática da Ucrânia.
Comentários