NATO destaca “início horrível do inverno” na Ucrânia e promete ajuda

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg, admitiu hoje o “início horrível do inverno” na Ucrânia devido à escalada de ataques russos, prometendo apoio às autoridades ucranianas “o tempo que for necessário”.

epa09846292 NATO Secretary General Jens Stoltenberg gives a press conference at the end of an extraordinary NATO Summit at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium, 24 March 2022. EPA/STEPHANIE LECOCQ

“O Presidente [russo, Vladimir] Putin está a falhar na Ucrânia e está a responder com mais brutalidade [com] vagas de ataques deliberados de mísseis contra cidades e infraestruturas civis, privando os ucranianos de calor, luz e comida. Este é um início horrível do inverno para a Ucrânia”, disse Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa em Bruxelas.

Falando à imprensa dias antes de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO se reunirem na Roménia, na terça-feira e quarta-feira, o responsável admitiu que “estes são também tempos difíceis para o resto da Europa e em todo o mundo com o aumento dos preços da energia e dos alimentos”.

“Sim, estamos todos a pagar um preço pela guerra da Rússia contra a Ucrânia, mas o preço que pagamos não se compara ao preço que os ucranianos pagam e, se deixarmos Putin ganhar, a Europa pagará um preço muito mais elevado durante muitos anos”, avisou Jens Stoltenberg.

De acordo com o líder da Aliança Atlântica, “se Putin e outros líderes autoritários virem que a força é recompensada, usarão novamente a força para alcançar os objetivos que tornarão o mundo mais perigoso e todos mais vulneráveis”.

“Portanto, é do nosso interesse em termos de segurança apoiar a Ucrânia”, adiantou Jens Stoltenberg, prometendo que a NATO “continuará a apoiar a Ucrânia durante o tempo que for necessário”.

“Não iremos recuar”, garantiu ainda.

Na próxima terça-feira e quarta-feira, decorre em Bucareste, capital da Roménia, uma reunião do Conselho do Atlântico Norte, principal organismo de decisão política da NATO, ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros, que estará centrada na guerra da Ucrânia causada pela invasão russa.

A guerra na Ucrânia foi desencadeada pela Rússia em 24 de fevereiro deste ano, quando invadiu o país vizinho.

O conflito mergulhou a Europa naquela que é considerada como a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

Ucrânia: Europa central prevê nova vaga de refugiados e pede ajuda a Bruxelas

A República Checa, a Polónia, a Hungria e a Eslováquia preveem uma nova vaga de refugiados ucranianos depois dos últimos ataques russos e devido ao inverno, e pediram à Comissão Europeia (CE) ajuda adicional para os receberem.

Ucrânia: Kiev e Moscovo voltam a trocar prisioneiros de guerra

As autoridades da Rússia e da Ucrânia confirmaram hoje a libertação de 50 prisioneiros de guerra detidos pelas duas partes em conflito, no dia em que a invasão russa cumpre nove meses.

Ucrânia: Obras raras de arte ucraniana escapam às bombas em Kiev para exposição em Madrid

Uma seleção de 51 obras raras do modernismo ucraniano escapou ao início da recente onda de bombardeamentos russos em Kiev, na Ucrânia, ao serem transportadas para Madrid, Espanha, onde vão ficar expostas a partir de 29 de novembro.
Comentários