NATO diz estar preparada para apoiar Kiev na guerra contra a Rússia durante “vários anos”

O líder da NATO sublinhou que o Ocidente continuará a pressionar “ao máximo” o presidente russo, Vladimir Putin, para terminar com a invasão da Ucrânia, que Moscovo apelida de “operação militar especial”, através de sanções e ajuda económica e militar a Kiev.

epa09846261 NATO Secretary General Jens Stoltenberg attends a press conference at the end of an extraordinary NATO Summit at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium, 24 March 2022. EPA/STEPHANIE LECOCQ

A NATO afirmou que está preparada para manter o apoio à Ucrânia na guerra contra a Rússia durante “vários anos”, incluindo ajudar  Kiev a fazer a transição de armas da era soviética para armas e sistemas ocidentais modernos, segundo o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg.

Stoltenberg voltou a declarar apoio a Kiev, após o Kremlin alertar que o fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia, incluindo armas pesadas, representava uma ameaça à segurança do continente europeu e “provocava instabilidade”.

“Temos de estar preparados para o longo prazo”, disse Stoltenberg em Bruxelas. “Existe absolutamente a possibilidade de que esta guerra se arraste e dure meses ou anos”.

O líder da NATO sublinhou que o Ocidente continuará a pressionar “ao máximo” o presidente russo, Vladimir Putin, para terminar com a invasão da Ucrânia, que Moscovo apelida de “operação militar especial”, através de sanções e ajuda económica e militar a Kiev.

“Os aliados da NATO estão a preparar-se para fornecer apoio por um longo período de tempo e também ajudar a Ucrânia a transitar, passar de equipamentos antigos da era soviética para armas e sistemas mais modernos da NATO que também exigem treino”, comentou Stoltenberg.

A maioria das armas pesadas que os países da NATO enviaram para a Ucrânia são da era soviética e que ainda estão nos stocks dos países membros da NATO da Europa Oriental, mas os Estados Unidos e alguns outros aliados começaram a fornecer armas mais modernas, produzidas em países ocidentais a Kiev.

A Alemanha anunciou na terça-feira o envio de tanques Gepard equipados com armas antiaéreas para a Ucrânia, a primeira vez que Berlim aprovou entregas de armas pesadas desde o início da invasão russa.

Os apelos da Ucrânia por armas pesadas intensificaram-se desde que Moscovo virou a sua ofensiva para o Donbas, uma região oriental com terreno plano e aberto, visto como mais adequado para batalhas de tanques do que as áreas ao norte e ao redor da capital Kiev, onde ocorreram grande parte dos combates anteriores.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Preços na produção industrial aumentaram mais de 24%

Segundo o INE, o resultado deveu-se à “evolução dos preços da Energia e dos Bens Intermédios”.
Comentários