NATO: Parlamento espanhol aprova por maioria adesão de Suécia e Finlândia

Os pedidos de Suécia e Finlândia ocorreram em julho passado e devem ser votados nos parlamentos de todos os Estados-membros da NATO.

NATOpress/Twitter

O parlamento espanhol aprovou hoje por grande maioria os pedidos de adesão da Suécia e da Finlândia à NATO.

Em plenário, os parlamentares ratificaram por 290 votos a favor, 47 abstenções e 11 votos contra os protocolos de adesão dos dois países nórdicos.

Os pedidos de Suécia e Finlândia ocorreram em julho passado e devem ser votados nos parlamentos de todos os Estados-membros da NATO.

Atualmente, a Aliança Atlântica conta com 30 países, podendo chegar aos 32, caso Suécia e Finlândia sejam aprovados.

Votaram a favor da expansão da NATO, justificando os benefícios de pertencer à aliança militar intergovernamental, os partidos PSOE, PP, Vox, Ciudadanos, PNV e outras formações, como o PDeCAT e o JxCAT.

Forças políticas como ERC, EH Bildu, Más País ou Compromís, abstiveram-se, em conjunto com o Podemos, devido às posições claras conta a NATO, mas argumentando que não podem votar contra as decisões soberanas da Suécia e da Finlândia.

No entanto, os deputados da IU, como o ex-secretário de Estado para a Agenda 2030 e atual líder do PCE, Enrique Santiago, votaram contra, juntamente com o BNG e a Copa.

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Ucrânia. PM de Moçambique diz que “interesses do país” levaram a abster-se de condenar Rússia

“Não estamos a tomar posição nem de um lado, nem do outro. Estamos a tomar aquilo que a nossa Constituição nos diz para fazer e que é bom para o país e para os interesses de Moçambique”, salientou o primeiro-ministro moçambicano.

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.
Comentários