NATO quer conhecer todos os factos sobre queda de mísseis na Polónia (com áudio)

“A NATO está a acompanhar a situação e os aliados a estão a consultar-se. É importante que todos os factos sejam apurados”, explicou o secretário-geral da Aliança.

epa09846261 NATO Secretary General Jens Stoltenberg attends a press conference at the end of an extraordinary NATO Summit at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium, 24 March 2022. EPA/STEPHANIE LECOCQ

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse esta terça-feira que a Aliança está a “acompanhar” a queda de mísseis na Polónia, realçando a necessidade de “conhecer todos os factos” sobre o ataque.

Stoltenberg disse na sua conta da rede social Twitter que conversou com o Presidente polaco, Andrzej Duda, “sobre a explosão na Polónia”, acrescentando que ofereceu as condolências pela “perda de vidas” no caso da queda de mísseis naquele país membro da NATO.

“A NATO está a acompanhar a situação e os aliados a estão a consultar-se. É importante que todos os factos sejam apurados”, explicou o secretário-geral da Aliança.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, convocou esta tarde a Comissão de Segurança Nacional depois de meios de comunicação social polacos terem divulgado a notícia de um impacto de um míssil na localidade de Przewodów, perto da fronteira com a Ucrânia, que provocou duas mortes.

O porta-voz do governo polaco pediu aos ‘media’ para não divulgarem “notícias não confirmadas” e sublinhou que as informações que vierem a ser apuradas serão divulgadas “na medida do possível”.

A Rússia assegurou que não realizou qualquer ataque contra alvos perto de Przewodów e classificou como “provocação deliberada” os relatos de uma alegada queda de mísseis russos na fronteira entre a Ucrânia e a Polónia.

“Nenhum ataque a alvos perto na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia foi realizado por meios de destruição russos”, anunciou o Ministério da Defesa russo, num comunicado.

O Pentágono limitou-se a dizer que está a avaliar as informações e que não tem nenhuma informação que corrobore a tese da queda de mísseis russos na Polónia.

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.
Comentários