NATO: Suécia nega estar a fornecer ajuda financeira e militar aos curdos

“A cooperação no nordeste da Síria é realizada principalmente por meio das Nações Unidas e de organizações internacionais”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Ann Linde, ao jornal “Aftonbladet”.

5 – Suécia

A Suécia negou hoje estar a fornecer qualquer “assistência financeira ou apoio militar” a grupos ou entidades curdas na Síria, ao contrário do que a Turquia afirma para se opor à adesão do país nórdico à NATO.

“A cooperação no nordeste da Síria é realizada principalmente por meio das Nações Unidas e de organizações internacionais”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Ann Linde, ao jornal “Aftonbladet”.

“A Suécia não fornece apoio direcionado aos curdos sírios ou às estruturas políticas ou militares no nordeste da Síria, mas a população dessa zona está, claramente, a participar nesses projetos de ajuda”, indicou.

A Turquia pediu “garantias concretas” à Suécia, incluindo “o fim do apoio político ao terrorismo”, uma “eliminação da fonte de financiamento do terrorismo”, a “cessação do apoio militar” ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e às milícias curdas sírias.

As exigências também abrangem o levantamento das sanções de armas contra a Turquia e a cooperação global contra o terrorismo.

Considerado um grupo terrorista pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia – da qual a Suécia e Finlândia são membros – o PKK trava uma luta contra os turcos desde 1984. Dezenas de milhares de pessoas morreram no conflito.

Desde 2017, a Turquia pede a extradição de militares curdos e outros suspeitos, mas não tem recebido respostas de Estocolmo.

Entre outras coisas, Ancara afirma que a Suécia forneceu cerca de 350 milhões de euros para apoiar os militantes curdos em 2023 e equipamentos militares, incluindo armas antitanque e drones.

Na segunda-feira, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou lançar uma nova operação militar na Síria para proteger a fronteira sul da Turquia.

Na quarta-feira, uma delegação sueco-finlandesa vai visitar a Turquia para discutir as objeções de Ancara às candidaturas dos países nórdicos à NATO. A delegação deve reunir-se com o porta-voz do chefe de Estado turco, Ibrahim Kalin, e o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Sedat Onal.

Na reunião anual do Fórum Económico Mundial em Davos (Suíça), o ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia, Pekka Haavisto, disse que o país entende “que a Turquia tem algumas preocupações de segurança em relação ao terrorismo”.

“Achamos que temos boas respostas para isso, porque também fazemos parte da luta contra o terrorismo. Então, pensamos que essa questão pode ser resolvida”, referiu Haavisto.

A NATO fará “o que sempre fazemos”, “que é sentar e abordar as preocupações quando os aliados expressarem preocupações”, observou o secretário-geral da aliança militar intergovernamental, Jens Stoltenberg, em Davos.

Stoltenberg manifestou-se confiante de que a Aliança Atlântica vai ser capaz de “resolver esses problemas e concordar e receber a Finlândia e a Suécia como membros de pleno direito”. Todos os 30 países da NATO devem concordar na integração das duas nações nórdicas.

A Suécia recebeu centenas de milhares de refugiados do Médio Oriente nas últimas décadas, incluindo curdos étnicos da Síria, Iraque e Turquia.

Após ser contra a adesão à NATO durante décadas, a opinião pública de Finlândia e Suécia mudou com a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro.

Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários