Navios russos estão a contrabandear petróleo ao largo dos Açores e da Madeira

Depois da Madeira, os petroleiros russos aproximaram-se dos Açores para vender petróleo. Mas a quem venderam?

EPA/ALEXEI NIKOLSKY / KREMLIN POOL / SPUTNIK / POOL MANDATORY CREDIT

Navios russos estão a contrabandear petróleo ao largo dos Açores e da Madeira, em pleno oceano Atlântico.

Em 15 dias, pelo menos três petroleiros desapareceram dos sistemas de navegação à medida que se aproximavam desta região autónoma portuguesa, localizada a 1.500 quilómetros a leste de Portugal continental, segundo a “Bloomberg” que identifica os petroleiros “Afrapearl”, “Lauren II” e “Zhen I”.

O primeiro passou numa rota muito próxima à ilha de Santa Maria, a mais a sul do arquipélago. Já os outros dois estiveram mais perto da Região Autónoma da Madeira.

A “Bloomberg” já tinha revelado no início de junho que o “Lauren II” e o “Zhen I” tinham procedido à transferência. No final de maio, o petroleiro “Zhen I” transferiu a sua carga para o superpetroleiro “Lauren II” em pleno oceano Atlântico, 300 milhas náuticas a oeste da Madeira, a 100 milhas de distância das águas nacionais entre 26 e 27 de maio.

A agência noticiosa coloca a hipótese de a carga destes navios ter sido transferida para outros navios, algo que não acontecia antes da Rússia invadir a Ucrânia, assim como ‘apagarem’ os sistemas de navegação para permanecerem invisiveis para os satélites.

Outra possibilidade é que os próprios compradores não querem ser ‘vistos’ a comprar petróleo à Rússia.

Esta tática é usada por navios petroleiros do Irão e da Venezuela, países também sujeitos a sanções.

O embargo ao petróleo russo só entra em vigor em força no final deste ano.

A transferência tem lugar, normalmente, entre um petroleiro mais pequeno para um maior, que depois transporta a carga para uma longa rota, normalmente para a Ásia.

Além da Madeira e dos Açores, estas transferência entre navios de petróleo russo também tem tido lugar ao largo da Dinamarca e no mar Mediterrâneo.

Segundo dados do site “Marine Traffic”, o “Lauren II” estava há um dia perto dos Açores e seguia rumo a Singapura, onde deve chegar no dia 1 de agosto. Já o “Zhen I” encontra-se no Mar Celta, ao sul da Irlanda, sem destino conhecido, depois de ter saído do porto russo de Primorsk a 14 de junho, no mar Báltico. Por sua vez, o “Afrapearl” encontra-se no Mar do Norte rumo ao porto russo de Ust-Luga, outro porto russo no mar Báltico.

Os russos estão a usar novos métodos (afastam-se da Europa e dos embargos) para vender o seu petróleo. Este tipo de transferência costuma ter lugar em águas mais calmas e perto da costa, e não em pleno mar alto, aumentando assim o risco de derrames e de desastres ambientais.

O mesmo tipo de transferência – de um navio mais pequeno para um maior – já teve lugar em várias localizações (Dinamarca, no Mediterrâneo a norte de Ceuta e no Mar do Norte ao largo de Roterdão), mas estas sãs as primeiras transferências vistas em mar alto.

Relacionadas

Petróleo russo negociado ao largo da Madeira. Manobra em alto mar com riscos ambientais

O petróleo foi transferido de um navio para outro a 100 milhas das águas portuguesas e apenas a poucos dias do embargo russo pela UE ser aprovado.

Navios russos estão a navegar em ‘modo invisível’ para esconder a quem vendem petróleo (com áudio)

Refinarias na China e na Índia são os principais destinos do petróleo produzido no país de Putin. Barril de crude russo está a ser vendido a um valor mais baixo que o Brent. Marinha mercante russa aprendeu os truques usados nos últimos anos pela Venezuela e pelo Irão.
Recomendadas

Guterres reúne-se hoje com Zelensky e Erdogan na Ucrânia

O encontro vai servir para discutir a situação da central nuclear de Zaporizhzhia e para tentar encontrar uma solução política para o futuro da Ucrânia após a agressão russa.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Guterres encontra-se em Lviv com Zelensky e Erdoğan; Pelo menos 21 mortos em explosão na mesquita de Cabul; Agência Internacional de Energia vai liderar delegação na central nuclear de Zaporizhzhia

Alemanha tem gás para menos de três meses se Putin fechar a torneira

O cenário de fecho da torneira, em retaliação pela posição alemã contra a invasão russa da Ucrânia, é cada vez mais real nos corredores do poder em Berlim.
Comentários