Nelas – Borgstena pretende criar 350 novos postos de trabalho

O Grupo Sueco Borgstena, cuja atividade principal se centra na produção de tecidos e confeção de capas para a indústria automóvel, assinou um contrato, no passado dia 19 de dezembro em Ulm, na Alemanha, entre a Borgstena Textile Portugal e a Britax Römer Kindersicherheit GMBH, para a produção de tecidos e confeção de capas dos […]

O Grupo Sueco Borgstena, cuja atividade principal se centra na produção de tecidos e confeção de capas para a indústria automóvel, assinou um contrato, no passado dia 19 de dezembro em Ulm, na Alemanha, entre a Borgstena Textile Portugal e a Britax Römer Kindersicherheit GMBH, para a produção de tecidos e confeção de capas dos volumes europeus da Britax Römer. Todo o processo de desenvolvimento e produção do tecido e confeção das capas deste contrato será feito na unidade de Nelas, distrito de Viseu, do Grupo Borgstena, implicando a criação, imediata, de 100 postos de trabalho até fevereiro de 2015 e, posteriormente, a contratação de até 250 pessoas até finais de 2016. Após estas novas contratações a Borgstena Textile Portugal vai contar com aproximadamente 550 pessoas no seu quadro de pessoal em Nelas. O projeto em questão vai também trazer valor acrescentado para outras empresas da região centro, nomeadamente o Grupo Aquinos de Tabua, uma vez que a Borgstena conseguiu incorporar outras matérias-primas nacionais no produto final da Britax Römer.

O Borgestena tem como principais clientes marcas como Volvo, Scania, Daf, Man, VW, Seat, Skoda, Hyundai, KIA entre outras e dispõem de unidades operacionais em Portugal, Republica Checa, Roménia, Brasil, Malásia e China,

Apesar do crescimento na área automóvel ter sido significativo nos últimos anos para o Grupo, e contar novamente com uma previsão de crescimento na ordem dos 26% para 2015, tem sido estratégia do Grupo Sueco nos últimos 4 anos tentar obter negócios em outras áreas, no sentido de reduzir a sua dependência na área automóvel.

A ligação da Borgstena à Britax Römer, que também tem como sócio maioritário uma “Private Equity” Sueca, vai permitir também no futuro o acesso aos volumes disponíveis desta empresa na China e EUA que ultrapassam hoje mais de 8 milhões de unidades por ano nestes dois países.

A unidade de Nelas continua a ser, para o Grupo Sueco, a de maior crescimento e para onde os investimentos de maior dimensão têm sido direcionados nos últimos anos. Só nos últimos 3 anos esta unidade investiu mais de 8 milhões de euros para aumentar a sua capacidade produtiva, modernização de equipamento produtivo e introduzir novos processos internos que estavam anteriormente a ser feitos fora de Portugal. Em termos operacionais a unidade de Nelas é considerada, dentro do ramo têxtil automóvel, uma unidade de referencia na Europa, tendo disponível em todas as áreas equipamento de última geração mas também a capacidade de produzir, num só local, desde a extrusão de fio até a confeção completa de capas.

O investimento nas áreas de Vendas, Design, Engenharia e I&D também tem sido uma prioridade do Grupo para a unidade de Nelas e o aumento significativo das vendas, via contratação de novos projetos, nos últimos anos são o resultado desse investimento. A unidade de Nelas do Grupo Sueco conta hoje com uma carteira de encomendas de aproximadamente 300 milhões de Euros para os próximos 5 anos.

Acreditando no potencial e competitividade dos recursos humanos em Portugal, a área comercial do Grupo Borgstena está, também, em negociações avançadas com o Grupo VW para confecção de capas em Portugal (actividade feita no passado em Nelas pelo Grupo Norte Americano Johnson Controls). Os projectos em questão, que serão decididos até final de 2015, e tem um valor anual de faturação superior a 10 milhões de Euros, poderão contar com uma contratação adicional de 350 a 450 novos postos de trabalho para Nelas, ou em outro local do país, fiando assim o Grupo Sueco responsável por aproximadamente 1000 postos de trabalho em Portugal.

Jorge Machado, CEO e membro do Conselho de Administração do Grupo Sueco, afirma que o grupo possui um especial afeto pelo país e por Nelas, admitindo mesmo que “os acionistas adoram o País e normalmente quando temos reuniões em Portugal vem toda a família, o que não acontece em reuniões noutros países”. Jorge Machado refere também que “o respeito pelo trabalho que tem sido feito pelas pessoas de Nelas ao longo destes anos é enorme, os apoios recebidos pelo Governo Português ao longo dos últimos anos tem sido fantástico e os resultados obtidos pela unidade de Nelas também têm sido muito bons” sublinhando que “com estes ingredientes é fácil levar para aprovação projetos de modernização, novos processos e crescimento para Nelas, como foi novamente visível no recente processo da Britax Römer. A equipa que temos na fabrica de Nelas é única e por isso o crescimento e investimento nesta unidade vai continuar durante muito anos” disse Jorge Machado, CEO e Membro do Conselho de Administração do Grupo Sueco que tem vindo a avaliar outras áreas de atuação onde o grupo pode vir a ter interesses “além das área industriais onde o Grupo já esta hoje inserido em Portugal, estamos também avaliar um projeto de investimento na área do Turismo para a região centro e também, em conjunto com a Câmara Municipal de Nelas, avaliar a participação numa plataforma logística para a região, o que mais uma vez demostra o interesse e aposta em Portugal por parte dos acionistas da empresa”.

Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.