Nem dinheiro nem cartão! Vá às compras com o e-mail ou telemóvel

Os portugueses vão poder pagar a partir de abril as suas compras e transferir dinheiro usando apenas o seu número de telemóvel ou o email, com o serviço MB Way que a SIBS está a lançar. “É um serviço de convergência de todas as experiências de compras através unicamente do telemóvel. As pessoas podem pagar […]

Os portugueses vão poder pagar a partir de abril as suas compras e transferir dinheiro usando apenas o seu número de telemóvel ou o email, com o serviço MB Way que a SIBS está a lançar.

“É um serviço de convergência de todas as experiências de compras através unicamente do telemóvel. As pessoas podem pagar de forma simples sem terem que andar com imensos cartões”, já que o MB Way incorpora os cartões bancários no telemóvel, adiantou o administrador do grupo SIBS, Luís Flores, num encontro com jornalistas.

Segundo a diretora de Gestão de Produto da SIBS Forward Payment Solutions, Teresa Mesquita, “é como ter o multibanco no telemóvel para facilitar os pagamentos”, seja ‘online’, seja nos ‘smartphones’ ou nas lojas, como restaurantes, supermercados ou lojas de roupa.

Com a nova funcionalidade, diz a SIBS, comerciantes e consumidores ficam a ganhar, uma vez que se reduz a taxa de abandono, não há manipulação de dados financeiros, há maior integração, no primeiro caso, assim como maior conforto, segurança e conveniência, no segundo.

Será por exemplo possível encomendar uma pizza e pagá-la através do número de telemóvel ou entrar numa loja para comprar roupa sem ter que ir para uma fila, bastando apenas introduzir o número de telemóvel num tablet de um assistente da loja.

“O cliente dá o número de telemóvel e o cliente recebe uma notificação e introduz um código de autenticação (um pin)”, disse Luís Flores, exemplificando ainda que o comerciante pode fazer promoções assim que reconheça a aplicação quando o consumidor entra na loja.

O novo serviço permite fazer transferências instantâneas para qualquer outro número de telemóvel, bastando introduzir o número de telemóvel ou o email, sendo que o destinatário pode aderir à aplicação assim que receba a notificação e recebe instantaneamente o valor.

Ou seja, o utilizador nunca tem de partilhar os seus dados bancários quer com o comerciante ou com o destinatário da transferência e além do PIN, que é sempre usado para validar as operações, é definido um montante máximo de utilização diário.

Desenvolvida ao longo do último ano e meio, a funcionalidade estará em fase de piloto até abril e será até lá testada por comerciantes, consumidores, colaboradores internos da SIBS. Em processo de integração estão já os seguintes bancos: BPI, Millennium BCP, Banco Popular, Caixa Agrícola, Novo Banco, BBVA, Santander, Caixa geral de Depósitos, Banif, Montepio Geral e Best.

Luís Flores estima que a recetividade ao serviço “vai ser muito superior do que a que foi a do MB NET”, serviço desenvolvido pelo sistema bancário português que permite realizar pagamentos ‘online’ com segurança, em que os dados do cartão bancário real nunca são revelados, sem revelar mais pormenores, nem o investimento na nova aplicação.

“Parece-nos muito importante que, no ano em que o MULTIBANCO celebra 30 anos, possamos oferecer aos Portugueses mais esta novidade para facilitar o dia-a-dia, com um serviço que pode ser usado com qualquer cartão, a qualquer hora e com a segurança do sistema SIBS”, refere Luís Flores, num comunicado.

A aplicação está disponível para ‘download’ em todos os ‘smartphones’ e ‘tablets’ com sistema iOS ou Android, trata-se de um serviço universal, independente do operador móvel, sendo que este nunca terá acesso à encriptação.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).