“Nenhum político sério pode ser refém do populismo”

O que poderemos esperar da Alemanha nos próximos tempos? Eis o parecer de Patrícia Daehnardt, Investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais.

Com eleições em 2017, prevê-se uma campanha eleitoral onde a questão dos refugiados – que ultimamente já não dominava as notícias – será novamente tema de destaque, associado ao terrorismo. E onde questões de segurança interna terão uma relevância acrescida que dominará os debates eleitorais.

Os últimos acontecimentos poderão influenciar a política externa alemã?

Sim, a fragilização da posição da chanceler na política interna tenderá a repercutir-se na política externa alemã. Merkel, apesar de ser já a única líder a quem se atribui capacidade para relançar o projeto europeu, cuja dinâmica com a crise do euro, o Brexit, a crise dos refugiados, o referendo em Itália está posta em causa, tem cada vez menos aliados. Nas relações com a Rússia, depara-se com um presidente Putin empenhado em envolver-se na política europeia de forma a minar o projeto europeu. Será cada vez mais difícil convencer os parceiros europeus a renovarem as sanções económicas contra a Rússia e manter uma posição forte contra Moscovo. Putin, por seu turno, claramente irá tentar influenciar o resultado das eleições alemãs, o que contribuirá para o aumento de um período de campanha atribulado. Merkel terá também menos força para garantir o cumprimento do acordo sobre os refugiados com a Turquia.

Há o risco de uma viragem na política de “boas-vindas” aos refugiados da Presidente alemã?

Seria um erro se tal acontecesse, porque nem Merkel nem nenhum outro político sério podem tornar-se reféns da política populista e xenófoba da AfD.  Depois do atentado em Munique em Julho deste ano, a AfD aproveitou-se da situação e contudo, a política de migração do governo não foi penalizada pelo eleitorado. Também desta vez, a culpabilização pessoal de Ângela Merkel pelas vítimas mortais do atentado insere-se na estratégia de agitação populista e de provocação ao establishment que a AfD irá reforçar durante toda a campanha e com a qual conseguirá garantir a atenção dos media.

Mas pode aumentar a polarização da sociedade alemã?

A Alemanha encontra-se num equilíbrio muito frágil – para todos os partidos mainstream, não apenas para Merkel. A SPD poderá ganhar com esta posição mais crítica do eleitorado face a Merkel, mas sendo o parceiro da CDU/CSU na Grande Coligação terá que demarcar-se de uma política com a qual até agora concordou. As incógnitas e incertezas no período eleitoral serão muitas. Para Merkel será a sua mais dura campanha eleitoral. Numa sociedade muito polarizada, o debate centrar-se-á sobre questões de responsabilidade política e a identidade cultural mas também sobre o reforço de medidas para o aumento da segurança interna. A elevada probabilidade de a AfD passar a integrar o Bundestag a partir de Setembro de 2017 representa um desafio à sociedade alemã e aos partidos políticos em concreto. O sistema partidário alemão irá fragmentar-se e a estabilidade política dependerá de como os partidos convencionais se unirem para responder à ameaça populista. n A.A.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários