Nestlé investe 11 milhões em Portugal para produção mundial de snacks biológicos

A Nestlé Portugal vai fornecer para mais de 30 países um inovador snack biológico para bebés a partir da sua fábrica em Avanca. A empresa espera crescer em volume, chegando ao final de 2021 com cerca de 400 toneladas por ano.

A Nestlé vai investir 11 milhões de euros na sua fábrica portuguesa localizada em Avanca, com vista à produção mundial de snacks biológicos para bebés, informa a empresa em comunicado esta segunda-feira, 9 de dezembro.

Este investimento faz parte de um total de 40 milhões de investimento que, ao longo de 20 meses, será feito nas unidades de Avanca e do Porto (café em grão).  A Nestlé Portugal vai fornecer a partir da sua fábrica em Avanca, mais de 30 países um inovador snack biológico para bebés.

Com o mercado global do Baby Food em crescimento, a empresa espera crescer em volume, chegando ao final de 2021 com cerca de 400 toneladas por ano. O investimento da marca vai capacitar a nova linha para a produção de 80 latas por minuto, correspondentes a 130 kg por hora, o que deverá suprir as necessidades da Nestlé nos próximos 15 a 20 anos.

Para produzir esta nova gama de snacks biológicos a Nestlé contratou 14 novos colaboradores e foi dada formação aos envolvidos, nomeadamente no que toca ao embalamento, que é distinto por exemplo dos cereais.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários