Nestlé vende negócio de gelados nos EUA por 3,5 mil milhões de euros

Com a concretização da operação, a Nestlé pretende apostar no desenvolvimento de uma empresa com maior capacidade de concorrer com a Unilever, líder no negócio de gelados a nível mundial, detendo as marcas Ben&Jerry’s e Magnum.

A gigante distribuidora alimentar de origem suíça Nestlé vai vender a sua operação de produção de gelados nos Estados Unidos, que inclui marcas como a Haagen-Dazs, a uma joint-venture com o pelo fundo de capital de risco PAI Partners por quatro mil milhões de dólares (cerca de 3,5 mil milhões de euros), de acordo com a Bloomberg.

A Froneri, a empresa da Nestlé dedicada aos gelados, deverá servir para consolidar a joint-venture que a multinacional tem com a PAI Partners. A Froneri foi criada em 2016 numa fusão entre as unidades de gelados da Nestlé e a R&R, uma concorrente detida pela PAI.

Com a concretização da operação, a Nestlé pretende apostar no desenvolvimento de uma empresa com maior capacidade de concorrer com a Unílver, líder no negócio de gelados a nível mundial, detendo as marcas Ben&Jerry’s e Magnum.

A Froneri passará, assim, a deter uma quota de mercado de 10% a nível global, quando a Unilever controla uma quota de 18%, segundo a Bloomberg.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir à vitória do partido extrema-direita liderado por Giorgia Meloni em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.
Comentários