Neutralidade carbónica é impulso para a economia, afirma ministro do Ambiente

“O roteiro para a neutralidade carbónica explica que, nos três cenários avaliados, aquele que dá mais garantia de sermos neutros em carbono em 2050, é aquele em que a economia mais cresce”, referiu Matos Fernandes.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática reiterou hoje que a neutralidade carbónica é um impulso para a economia do país e defendeu que a Europa se deve manter “na linha da frente” do combate às alterações climáticas.

Na sessão de abertura da conferência “Transição Energética – As Políticas da Transição Energética e o seu Impacto na Economia”, que aconteceu hoje, na Reitoria da Universidade do Porto, João Pedro Matos Fernandes frisou que “o futuro económico do país está intimamente ligado à transição energética”.

“O roteiro para a neutralidade carbónica explica que, nos três cenários avaliados, aquele que dá mais garantia de sermos neutros em carbono em 2050, é aquele em que a economia mais cresce”, referiu.

Apesar de esse crescimento “implicar mais consumo energético, mais mobilidade”, isso “preocupa”, mas “não assusta”, porque “essa mobilidade vai ter zero emissões, e o consumo energético pode ter zero emissões”.

A transição “implica um investimento extra de dois mil milhões de euros, e 85% desse investimento é das famílias e das empresas”, reiterou.

O titular da pasta do ambiente considera que, “se a Europa perdeu o caminho da frente em alguns dos ‘drivers’ de transformação da economia e da sociedade, como seja, por exemplo, a digitalização, (…) é mesmo no combate às alterações climáticas, que implica, essencialmente, investimento, que a Europa está na linha da frente do compromisso, do discurso e, já agora, da prática, e tem mesmo que assim se manter”.

Depois de elencar muito do que tem sido feito, Matos Fernandes apontou que se deve investir na produção de energia ‘offshore’, referindo que, com a larga costa do país, “é natural passar de uma lógica terrestre para a exploração de recursos costeiros e marítimos”, bem como no hidrogénio verde.

“Se queremos acelerar a transição energética e na descarbonização da economia já nesta década, Portugal tem de apostar na produção e incorporação de volumes crescentes de gases renováveis, como o hidrogénio verde, e deve promover uma substituição dos combustíveis fósseis mais intensa naqueles setores da economia em que a eletrificação poderá não ser a solução mais eficaz, ou que poderá não ser, sequer, tecnicamente fiável”, afirmou.

Respondendo a uma questão colocada pelo reitor da Universidade do Porto, o governante garantiu que “não precisamos de nuclear para nada e, de facto, não precisamos dos fósseis para coisa nenhuma”.

O reitor daquela instituição de ensino superior, António Sousa Pereira, realçou o “profundo impacto socioeconómico” da transição energética, “um processo indispensável para responder à emergência climática”.

Também o vice-presidente da Câmara Municipal do Porto, Filipe Araújo, vincou que “é fundamental que esta seja uma transição socialmente justa, equilibrada e que não deixe ninguém para trás”.

Recomendadas

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.
Comentários