‘Neverland’: Mansão de Michael Jackson vendida por 18 milhões de euros

A compra foi efetuada por Ronald Burkle, co-proprietário da equipa de hóquei no gelo dos Pittsburgh Penguins e co-fundador da empresa de investimentos Yucaipa. Empreendimento tinha sido adquirido pelo cantor em 1987 por 14 milhões de euros.

A mansão de Michael Jackson, batizada como ‘Neverland’ foi vendida por 18 milhões de euros, um valor bastante abaixo dos 100 milhões de dólares (81 milhões de euros) que os herdeiros do cantor falecido em 2009 exigiam, conta o jornal espanhol “Expansión” este domingo, 27 de dezembro.

A compra foi efetuada por Ronald Burkle, co-proprietário da equipa de hóquei no gelo dos Pittsburgh Penguins e co-fundador da empresa de investimentos Yucaipa. O empreendimento tinha sido adquirido pelo cantor em 1987 por 14 milhões de euros, ao magnata do golfe William Bone.

Os herdeiros de Michael Jackons tinham a propriedade para venda desde 2015. Em 2017, os herdeiros do cantor baixaram o preç para 54 milhões de euros, com a imprensa local a garantir então que o espaço estava “impecável”, com a “única diferença” de que já não havia elefantes, nem o comboio e o parque de diversões que o caracterizavam, quando Michael Jackson ali residia.

‘Neverland’, assim conhecida em homenagem à ilha mágica da obra cinematográfica ‘Peter Pan’ é composta por 1.100 hectares e encontra-se localizada na Califórnia. Segundo um porta-voz de Ronald Burkle, a intenção do comprador não é viver na mansão, mas investir em imóveis para que possa vendê-los no futuro.

Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários