Portugueses acreditam que alterações climáticas levaram a aumento de preços

A nível global, os consumidores apontam que a guerra, alterações climáticas e ambiente estão entre as suas principais preocupações.

Os portugueses associam as alterações climáticas à falta de dinheiro na carteira, mais especificamente ao aumento de preços que se tem sentido. Este é o resultado do inquérito mundial Healthy & Sustainable Living 2022 da consultora portuguesa Greenlab e da multinacional GlobeScan, no qual foram inquiridos mil portugueses.

O estudo mostra que 73% dos portugueses notam ter sido afetados pelas alterações climáticas através do aumento do preço dos alimentos, sendo este valor superior à média global, que se fixou nos 57%. De relembrar que o preço dos cereais aumentou desenfreadamente depois da guerra na Ucrânia. Depois ao aumento dos preços, os portugueses mostraram-se mais preocupados com o calor extremo.

A nível global, os consumidores apontam que a guerra, alterações climáticas e ambiente estão entre as suas principais preocupações. No entanto, a lista diverge, uma vez que a pobreza extrema é a segunda preocupação mais alta em Portugal, com a guerra a situar-se no primeiro lugar.

O aumento do custo de vida – através do aumento dos preços – tem-se revelado uma dificuldade quando os consumidores pretendem adotar um estilo de vida mais saudável e sustentável, considerando que os produtos ‘amigos do ambiente’ são mais caros do que a restante indústria.

Neste inquérito, os consumidores mostraram-se mais preocupados com questões ambientais, nomeadamente o esgotamento de recursos naturais e com as alterações climáticas, que têm apresentado peso nas suas vidas.

Com os portugueses mais ambientalistas, os inquiridos notam alguns comportamentos que podem vir a adotar nos próximos anos para atingir as metas climáticas: 61% pondera usar energia renovável, 58% acredita conduzir carros elétricos e 53% admite a possibilidade de não ser possível adquirir bens produzidos de plástico.

Entre as ações mais amigas do ambiente, os portugueses são fervorosos adeptos do uso de sacos próprios, com 86% dos inquiridos a levarem os seus próprios sacos para levar as compras, bem como a reciclagem e poupança em aquecimento.

Ainda na lista de preocupações dos consumidores nacionais, 68% destaca a escassez de alimentos, 65% o fosso entre ricos e pobres, 60% o tratamento desigual das mulheres, 51% o estado da economia global e 35% a divisão social e política no país.

Recomendadas

Governo anuncia construção do IC31 em perfil de autoestrada

“A decisão é avançar com o perfil de autoestrada logo desde o início. O primeiro troço [IC31] tem declaração de impacto ambiental positivo. Neste momento é avançar para poder ter máquinas no terreno em 2025”, afirmou aos jornalistas João Galamba no final de uma reunião em Castelo Branco, com autarcas da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), sobre a estratégia para o desenvolvimento da ligação transfronteiriça – IC31.

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.

Premium“Há muitas empresas com dificuldade em contratar”

As empresas continuam a queixar-se da escassez de mão-de-obra, ainda que o desemprego tenha aumentado nos últimos meses. Tal denuncia o desencontro entre os trabalhadores e o que os empregadores procuram, diz líder da AEP.
Comentários