No segundo dia de greve, TAP operou 82 voos dos 119 voos previstos

“Até ao final do dia, a Companhia prevê efetuar a totalidade dos 119 voos programados para hoje, para 36 destinos, incluindo todos os de serviços mínimos”, lê-se no comunicado enviado às redações. No dia de ontem, foram realizados os 148 voos previstos, sendo 64 de serviços mínimos.

A TAP informou esta sexta-feira que, até às 17h00, operou 82 voos dos 119 voos previstos para hoje e, dos 30 voos de serviços mínimos agendados, operou 19 os estabelecidos, no contexto da greve convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) para os dias 8 e 9 de dezembro.

“Até ao final do dia, a Companhia prevê efetuar a totalidade dos 119 voos programados para hoje, para 36 destinos, incluindo todos os de serviços mínimos”, lê-se no comunicado enviado às redações.

No dia de ontem, foram realizados os 148 voos previstos, sendo 64 de serviços mínimos.

“A TAP gostaria de clarificar que não tem nesta altura menos 20 aviões do que tinha em 2019, como alega o SNPVAC, mas sim menos nove aeronaves ao serviço (105 vs 96). Sobre o número de tripulantes por aeronave, a Companhia cumpre os requisitos legais e do fabricante, estando em linha com os concorrentes comparáveis”, indica. “Também não se confirmam quaisquer violações ao atual Acordo de Empresa, cumprindo a TAP sempre e em qualquer circunstância a lei”.

A empresa garante que lamenta “profundamente” esta greve, e que “continua, como sempre, disponível para negociar com o SNPVAC, bem como com todos os sindicatos”.

“Esta greve dos Tripulantes de Cabina deve-se a uma forte reação à denúncia dos acordos, em comparação com outras entidades. Recorde-se que o Acordo de Empresa em vigor não é atualizado desde 2006”, continua. “A TAP deixou ainda claro ao SNPVAC que seria impossível reabrir o Acordo Temporário de Emergência, uma vez que isso poria em causa o Plano de Reestruturação e a recuperação da Companhia”.

“Mais uma vez, a TAP pede desculpa a todos os passageiros, assegura que tudo está a fazer para minimizar o impacto desta greve e agradece o profissionalismo de todos os Tripulantes de Cabina incluídos nos serviços mínimos, bem como os esforços de todos os trabalhadores da TAP envolvidos nesta operação”, conclui a nota.

Relacionadas

PremiumChristine Ourmières-Widener: “O essencial para o futuro da TAP é ter mais produtividade”

CEO da TAP defende que o acordo de empresa deve assegurar mais produtividade. Metade dos tripulantes voa menos de 600 horas por ano, abaixo da média do sector, que ronda as 800 horas, diz. Ourmières-Widener admite prémio aos funcionários, se resultados forem positivos.

PremiumMudança de sede permitirá reduzir endividamento da TAP

A presidente executiva da TAP diz que a mudança de instalações permitirá reduzir a pegada ambiental da companhia e proporcionar um ambiente de trabalho de acordo com as melhores práticas internacionais. Permitirá também “monetizar” aquele ativo imobiliário, que está neste momento a ser reavaliado, revela Christine Ourmiere-Widener.

Premium“Marie Antoinette? Toda a vida trabalhei para viver”

A CEO da TAP recusa a comparação da sua pessoa a Marie Antoinette, feita por um dos sindicatos, por não ter um passado aristrocrata. “Tenho trabalhado toda a minha vida para chegar onde estou hoje”.
Recomendadas

Terminal de carga e granéis de Leixões bate recorde de toneladas em 2022

O terminal aponta como previsão “manter este ritmo de crescimento, tendo recentemente investido em novos equipamentos portuários e no aumento da sua capacidade de armazenagem, permitindo continuar a aumentar a sua capacidade de movimentação de cargas em terminal”, segundo o grupo ETE.

Grupo CaixaBank reforça participação na Sonae SGPS para 5%

Em comunicado ao mercado a Sonae SGPS deu conta que a Critéria Caixa a informou, esta terça-feira, que reforçou a participação acionista de 2,001% para 5,001%.

Ligações ferroviárias de Lisboa a Corunha e Madrid entre projetos apoiados pela UE

O executivo comunitário anunciou hoje que escolheu 10 projetos-piloto que apoiará para estabelecer novos serviços ferroviários ou melhorar os já existentes, apontando que, no seu conjunto, “irão melhorar as ligações ferroviárias transfronteiriças em toda a União Europeia, tornando-as mais rápidas, mais frequentes e mais acessíveis”.
Comentários