Nobel da Economia para Angus Deaton, de Princeton

O professor da Universidade norte-americana de Princeton, Angus Deaton, é o Nobel da Economia 2015, devido ao trabalho de pesquisa os temas do “consumo, pobreza e prestações sociais”. Nascido em 1945 em Edimburgo, na Escócia, Angus Deaton tem dupla nacionalidade – bitânica e norte-americana. Doutorado, em 1974, pela Universidade de Cambridge, ensina Economia em Princeton, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O professor da Universidade norte-americana de Princeton, Angus Deaton, é o Nobel da Economia 2015, devido ao trabalho de pesquisa os temas do “consumo, pobreza e prestações sociais”.

Nascido em 1945 em Edimburgo, na Escócia, Angus Deaton tem dupla nacionalidade – bitânica e norte-americana. Doutorado, em 1974, pela Universidade de Cambridge, ensina Economia em Princeton, desde 1983.

Apesar de já ter 75 laureados, a legitimidade deste “Prémio do Banco da Suécia em Ciências Económicas em memória de Alfred Nobel” continua a ser discutida, dado que foi criado apenas em 1969 para assinalar os 300 anos do banco central sueco.

Em 2014, o Nobel da Economia distinguiu o francês Jean Tirole, mas os norte-americanos dominam a lista de premiados dos últimos anos.

Até agora só uma mulher recebeu até agora este prémio: a norte-americana Elinor Ostrom, distinguida em 2009.

O Nobel da Economia encerra a atribuição dos prémios deste ano, que distinguiram a bielorrussa Svetlana Alexievitch na Literatura e um grupo de defensores do diálogo democrático na Tunísia com o Nobel da Paz.

Os anúncios começaram com o Nobel da Medicina, que foi entregue aos investigadores norte-americano William C. Campbell, japonês Satoshi Omura e chinesa Youyou Tu.

Seguiram-se o Nobel da Física e da Química, ambos partilhados por vários cientistas.

OJE

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

A União Europeia deverá divulgar na quarta-feira dados concretos sobre a evolução do emprego no terceiro trimestre deste ano. O indicador é importante na definição da estratégia de política monetária daqui para a frente, já que historicamente sinaliza (ou não) um cenário de recessão – uma preocupação que tem estado na agenda dos bancos centrais.

Adjudicados últimos seis lotes do concurso para fornecimento de serviços à rede SIRESP

O concurso para fornecimento de serviços à rede de emergência SIRESP foi concluído na segunda-feira, antes do prazo, com a adjudicação dos restantes seis lotes, anunciou hoje a empresa que gere o sistema.

Há um “caminho longo” a percorrer no envelhecimento ativo, diz a ministra da Coesão Territorial

“Sabemos hoje mais sobre as maleitas dos mais velhos e sabemos como as evitar”, sublinhou Ana Abrunhosa, reiterando que “todos queremos envelhecer com qualidade”.