PremiumNoesis crê que serviços de tecnologia “não sofrerão tanto com a recessão”

Diretor financeiro da consultora tecnológica portuguesa explica que as empresas continuarão a precisar de digitalização apesar da crise e casos como o da Remote são “específicos” do período pós-pandemia.

A consultora tecnológica Noesis prevê que até ao final deste ano a sua operação internacional represente 50% do total do volume de negócios, um objetivo que consta do Plano Estratégico da empresa até 2023. O diretor financeiro da multinacional portuguesa diz, em entrevista ao Jornal Económico (JE), que a intenção é que as várias geografias se tornem hubs tecnológicos e tenham equipas maiores para servir as regiões em redor, mas descarta no curto prazo o investimento na Ásia e a abertura de mais filiais.

“Anteciparemos em um ano o objetivo estratégico de ter 40% do negócio internacional. Há alguns dados que ainda não podemos divulgar, por estarmos inseridos num grupo cotado em bolsa, mas vamos claramente chegar a esse objetivo em 2022”, garantiu Luís Castro. No ano passado, o mercado internacional – Brasil, Espanha, Irlanda, Países Baixos e Estados Unidos da América – representou mais de um terço (34,8%) do volume de negócios em 2021, após um crescimento de 16% face a 2020.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Negócios com empresas portuguesas caem nos primeiros sete meses de 2022

As fusões e aquisições caíram 24% para 249, em comparação com o mesmo período do ano passado, e o valor dos mesmos recuou 61% para 5,8 mil milhões de euros. Garrigues, JP. Morgane e Seale & Associates lideram assessorias.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Pepco. “Primark da Polónia” vai abrir as primeiras lojas em Portugal no próximo ano

Portugal será o 18º mercado da marca que pertence ao britânico Pepco Group e tem cerca de 3 mil lojas na Europa. Inicialmente, haverá estabelecimentos no Porto, em Lisboa e na região do Algarve, mas o objetivo é expandir para o resto do país.
Comentários