Noite eleitoral nos Estados Unidos serve para diagnosticar saúde da democracia

O IDEFF, de Eduardo Paz Ferreira, e a Caixa Geral de Depósitos realizam uma conferência que irá acompanhar em direto os resultados das eleições intercalares nos Estados Unidos, a realizar no próximo dia 8 de novembro. Será na Culturgest.

A evolução dos resultados das eleições para o Congresso e para o Senado nos Estados Unidos, na próxima terça-feira, 8 de novembro, será acompanhada em direto, em Lisboa, na Culturgest, por um conjunto de especialistas em política internacional, economia, geoestratégia e aparelhos militares, políticas sociais e sistemas eleitorais. A conferência ‘E depois das eleições intercalares dos EUA de 8 de novembro de 2022?’ começará às 20h15 e prologar-se-á até à primeira hora do dia seguinte.

A organização junta o Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal – IDEFF da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e a Caixa Geral de Depósitos (CGD). A noite eleitoral na abrirá com intervenções de Eduardo Paz Ferreira, presidente do IDEFF e mentor da conferência, de Paulo Macedo, presidente da CGD, de António Martins da Costa, presidente da Câmara de Comércio Americana em Portugal, e de Ricardo Alexandre, diretor-adjunto da TSF.

“O resultado das eleições intercalares americanas determinará o estado atual da democracia americana e da vitalidade das instituições democráticas que a suportam”, afirma Eduardo Paz Ferreira em comunicado da organização.

“Depois da inflexão introduzida pelo presidente Joe Biden na política norte-americana em 2020, permitindo algum otimismo quanto a criar sociedades mais equilibradas e equitativas, mobilizando-as para reduzir as desigualdades e melhorar os serviços de saúde, estancar as alterações climatéricas, reforçar as finanças públicas e combater a evasão fiscal, este é o primeiro teste aos ataques a estas políticas pelo Partido Republicano e pelos apoiantes do ex-presidente Donald Trump, podendo dar espaço para a sua entrada na corrida presidencial para 2024”, refere ainda.

Ao longo da noite ocorrerão diversas conferências ligadas ao tema geral. ‘Num mundo de inquietação’, estarão Nuno Severiano Teixeira, professor universitário e ex-ministro da Administração Interna, Azeredo Lopes, ex-ministro da Defesa Nacional, Melo Gomes, antigo chefe do Estado-Maior-General da Armada, e Fernando Neves, embaixador jubilado.

O segundo painel, ‘Como o mundo verá os Estados Unidos depois das eleições?’, junta Carlos Gaspar, investigador no Instituto Português de Relações Internacionais da Universidade Nova de Lisboa, Sandra Monteiro, diretora da edição portuguesa do jornal “Le Monde diplomatique”, Germano Almeida, jornalista, e Agostinho Pereira Miranda, advogado especialista em energia.

O terceiro painel focar-se-á em ‘Como os Estado Unidos olharão o mundo depois das eleições?’, para o qual estão convocados Pinto Ramalho, ex-chefe do Estado-Maior do Exército, Carlos Branco, major general na reserva, Bruno Reynaud de Sousa, professor nas universidades do Minho e do Porto, e Teresa Cravo, docente na Universidade de Coimbra.

“’It’s the Economy, stupid!’” é o tema do quarto painel, com Carlos Rodrigues, Chairman do BIG, Martins da Costa, presidente da Câmara de Comércio Luso-Americana, João Rodrigues, professor da Faculdade de Economia de Coimbra, e Rodolfo Lavrador, ex-administrador executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Antes da meia-noite, começará o painel ‘Como nos iremos deitar neste dia?’. Ana Santos Pinto, antiga secretária de Estado da Defesa Nacional, Bernardo Pires de Lima, investigador e atual conselheiro político do Presidente da República, Nuno Cunha Rodrigues e Miguel Moura e Silva, investigadores e professores na Universidade de Direito da Faculdade de Direito, estarão no palco.

A entrada é livre, mas sujeita a inscrição prévia.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários