Norberto Rosa, que estava em avaliação pelo BCE para o BCP, já não vai para o banco

O ex-administrador da CGD vai afinal para Secretário-Geral da Associação Portuguesa de Bancos. Norberto Rosa solicitou a renúncia ao cargos de administrador não executivo do BCP, bem como “a inerente cessação do processo de autorização”. O BCP procura um administrador não executivo independente.

Era o único administrador do BCP que faltava ser aprovado pelo BCE, no âmbito do tradicional processo de fit & proper. Norberto Rosa desde maio que a aguardava pela conclusão do processo de avaliação do regulador para integrar a equipa de administradores não executivos do BCP, liderada por Nuno Amado.

Mas o BCP anunciou ao mercado que “Norberto Emílio Sequeira da Rosa comunicou à Comissão de Remunerações e Previdência do Banco Comercial Português, ter aceitado o convite para o cargo de Secretário-Geral da Associação Portuguesa de Bancos”.

Considerando que, no âmbito deste cargo, lhe caberá “atender aos interesses do sector bancário como um todo, o que se mostra incompatível com o desempenho das funções de membro não executivo do Conselho de Administração do BCP, solicitou a renúncia ao mesmo, bem como a inerente cessação do processo de autorização que seguia o seu curso normal junto das entidades competentes”, diz o BCP.

O BCP vai ter de escolher um novo administrador não executivo independente, sabe o Jornal Económico. Mas até ao momento não têm substituto para o nome de Norberto Rosa.

Os acionistas ainda não falaram sobre o tema, revelou fonte ao Jornal Económico.

A Associação Portuguesa de Bancos já reagiu à notícia explicando que Manuela Athayde Marques comunicou à Direção da Associação Portuguesa de Bancos a sua decisão de aceitar um convite para exercer funções noutra entidade, sendo estas incompatíveis com a continuidade no cargo de Secretária-Geral da Associação.

Na sequência dessa comunicação, a Direção da APB apresentou a. Norberto Rosa uma proposta no sentido de vir a desempenhar a função de Secretário-Geral, a partir do inicio próximo ano.

“Esta nomeação coincide com um processo de ajustamento interno do funcionamento da APB, que será apresentado na próxima Assembleia Geral da Associação, agendada para janeiro”, diz a associação.

(atualizada com o comunicado da APB) 

 

Recomendadas

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.

Juro médio nos novos créditos à habitação em outubro com maior subida mensal desde 2003

“Trata-se da maior subida mensal desde o início da série estatística, em 2003”, salienta o Banco de Portugal (BdP), explicando que “esta evolução acompanha a subida das taxas médias da Euribor”.
Comentários