NOS admite reduzir investimentos se regulamento do leilão do 5G prevalecer

Empresa de telecomunicações liderada por Miguel Almeida considera que o regulamento final do leilão do 5G “torna qualquer investimento, que vá além do mínimo estipulado por lei, absolutamente irracional”.

Edifício-sede da NOS, em Lisboa

A NOS vai reduzir investimentos e reestruturar os custos da empresa em 2021 se o regulamento do leilão de atribuição de frequências da quinta geração da rede móvel (5G) prevalecer, tendo em conta a ação judicial que a empresa intentou contra as regras do concurso.

De acordo com a Reuters, que cita o administrador financeiro da NOS, José Pereira da Costa, a empresa de telecomunicações, o regulamento do leilão do 5G “torna qualquer investimento, que vá além do mínimo estipulado por lei, absolutamente irracional”.

Em causa está a decisão da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) de reservar espetro nas faixas dos 900 MHz e 1.800 MHz para eventuais novos players. A medida inscrita no regulamento do leilão é defendida pelo regulador das comunicações como necessária para estimular a concorrência e melhorar os serviços junto dos consumidores no mercado das telecomunicações.

À reserva do espetro acrescem os acordos de roaming nacional definidos nos termos do leilão. Assim, as três principais operadoras portuguesas – Altice Portugal, NOS e Vodafone Portugal – terão de partilhar a sua infraestrutura e estar disponíveis para acordos de roaming nacional com novos players.

Para a NOS, essas regras não deveriam ter avançado. Porquê? “Nenhum agente económico investe em benefício de terceiros, especialmente quando são concorrentes diretos e já beneficiam de vantagens escandalosamente discriminatórias”, disse Pereira da Costa à agência de notícias britânica.

A mesma agência escreve que a NOS já investiu 2,5 mil milhões de euros desde 2014, o que corresponde a uma média de aproximadamente 400 milhões de euros por ano.

O regulamento do leilão do 5G foi apresentado no dia 5 de novembro, com a Anacom a estabelecer objetivos de cobertura para as operadoras históricas e para “novos entrantes”. NOS, Altice e Vodafone terão de garantir uma cobertura 5G de 95% no território nacional até 2025, um valor muito acima da obrigação de cobertura entre 25% e 50% para “novos entrantes”, mediante os acordos de roaming.

Descontente com o regulamento, a NOS já avançou para tribunal para impedir que o leilão do 5G avance com o atual regulamento.

Relacionadas

“Guerra” entre operadores e regulador ameaça suspender leilão do 5G em Portugal

A divulgação do regulamento do leilão pela Anacom foi acompanhada de fortes críticas da Altice Portugal, NOS e Vodafone Portugal ao regulador, bem como do aumento da litigância e anúncio de suspensão de investimentos.

NOS avança com providências cautelares e uma ação judicial para anular licença da Dense Air e travar leilão do 5G

Empresa liderada por Miguel Almeida vai cumprir com o que anunciou no dia em que o regulamento do 5G foi divulgado. Uma providência cautelar já deu entrada nos tribunais para anular licença da Dense Air. Em breve será interposta outra providência, seguida de uma ação para forçar uma mudança nos termos do leilão do 5G.

Anacom critica aumento do preço base nas ofertas ‘triple play’ da Meo, NOS e Vodafone

Em causa está um tipo de pacote de serviços convergentes das principais operadoras, subscrito “por cerca de 1,7 milhões de clientes em Portugal, representando cerca de 40% do total de subscritores”, segundo o regulador das comunicações.
Recomendadas

Investimento na floresta com evolução positiva mas insuficiente

O investimento na floresta teve em 2021 uma evolução “ligeiramente positiva” mas insuficiente para alcançar as metas definidas para o setor, indica um barómetro divulgado pelas associações Zero e Centro Pinus.

‘Metrobus’ do Porto: obras arrancam durante a semana

O projeto do ‘metrobus’ do Porto, entre a Rotunda da Boavista e a Praça do Império, vai ser apresentado na segunda-feira, devendo as obras começar ainda durante a próxima semana.

Stanton Chase Portugal reforça com novo diretor executivo

José Bancaleiro, sócio fundador, que desempenhava a função agora ocupada por Nuno Moreira, mantém-se na empresa de executive search como partner e presidente.
Comentários