NOS assina acordo com Fundação José Neves para impulsionar emprego jovem

Em comunicado, a operadora diz que com este acordo, e através de um conjunto de metas estabelecidas, a NOS compromete-se até 2026 a reforçar diversos indicadores, nomeadamente a contratar e a reter jovens trabalhadores, a garantir emprego de qualidade e a criar oportunidades de desenvolvimento e de carreira para os jovens em Portugal.

Edifício-sede da NOS, em Lisboa

A NOS assinou o “Pacto Mais e Melhores Empregos para os Jovens”, promovido pela Fundação José Neves, que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República, e que “tem como objetivo operar uma mudança real no atual contexto de vulnerabilidade associado ao emprego dos jovens”.

Em comunicado a operadora diz que com este acordo, e através de um conjunto de metas estabelecidas, a NOS compromete-se até 2026 a reforçar diversos indicadores, nomeadamente a contratar e a reter jovens trabalhadores, a garantir emprego de qualidade e a criar oportunidades de desenvolvimento e de carreira para os jovens em Portugal.

“Enquanto motor do desenvolvimento da sociedade portuguesa, há muito que a NOS investe no recrutamento jovem, tendo criado em 2015 o NOS Alfa, um programa de trainees remunerado, que capta mais de 50 jovens por ano”, lembra a empresa.

A taxa de retenção dos jovens que integram este programa tem sido consistentemente superior a 80%, constituindo uma fonte de contratação com um peso significativo na empresa, revela a NOS.

Em 2021, 13,2% do universo de colaboradores da NOS estava na faixa etária abaixo dos 30, um indicador em crescimento ao longo dos últimos anos.

“Acreditamos que as empresas têm um papel crucial para combater o desemprego jovem” diz Luís Nascimento, Administrador Executivo da NOS.

“O ‘Pacto Mais e Melhores Empregos para os Jovens’, que hoje assinamos, reforça a forte ambição da NOS em criar oportunidades para que os jovens possam desenvolver-se e atingir o seu máximo potencial. Temos em curso vários programas remunerados para aqueles que queiram iniciar o seu percurso profissional na NOS e tenham a ambição de crescer connosco”, refere Luís Nascimento.

Já Carlos Oliveira, Presidente Executivo da Fundação José Neves, realça que este “é um acordo muito importante para o país, que une as empresas e entidades públicas para responder a uma realidade com que o país se debate há demasiados anos: a vulnerabilidade do emprego dos jovens, mesmo dos mais qualificados, que tendem a estar mais expostos ao desemprego e a ter salários baixos.”

“É preciso fazer algo para mudar o estado das coisas e o Pacto assinado vai permitir medir o impacto e os resultados do mesmo. Esperamos ainda que muitas mais empresas se juntem. Estamos a fazer acontecer e o papel das empresas é fundamental para uma alteração estrutural desta situação”, conclui.

O “Pacto Mais e Melhores Empregos para os Jovens”, que considera jovens até aos 29 anos, inclusive, surge na sequência do lançamento do Livro Branco, em dezembro de 2022, que faz um diagnóstico sobre o emprego dos jovens em Portugal e a sua vulnerabilidade, e aponta várias áreas de intervenção prioritárias para a criação de mais e melhores empregos para os jovens.

Para além do Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República, da Fundação José Neves e da Secretaria de Estado do Trabalho, são ainda Entidades Associadas ao Pacto a Associação Business Roundtable Portugal, o Conselho Nacional de Juventude (CNJ), o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), e o Observatório do Emprego Jovem, que é responsável pela monitorização do Pacto.

Recomendadas

BCE desce requisito de capital da CGD e mantém no BCP e Novo Banco

O banco central liderado por Christine Lagarde reduziu o requisito de capital (pilar 2) de 2% para 1,90% no banco estatal, em 2023. No BCP e no Novobanco, manteve-se nos 2,5% e nos 3%, respetivamente.

TAP terá sido lesada em 444 milhões de euros com novos aviões Airbus

David Neeleman terá negociado com a Airbus o cancelamento de um contrato para 12 aviões A350 e a compra de 53 novas aeronaves. Duas operações que podem ter lesado a TAP em 444 milhões de euros.

Glovo enfrenta coimas de mais de 200 milhões de euros sem constituir provisões

A empresa que presta serviços de entrega ao domicílio afirma, segundo o “El Economista”, que não é possível quantificar o impacto total das multas aplicadas.
Comentários