Manuel Ramalho Eanes. NOS valorizou mais de 75% desde a fusão

Manuel Ramalho Eanes, administrador Executivo da NOS, afirma que a “NOS valorizou 78% desde a fusão”. A Zon e a Optimus fundiram os seus negócios a 26 de outubro de 2013, dando origem à NOS. O administrador executivo do operador de telecomunicações falava durante o evento “Conversas Com…”, realizado pela CIONET Portugal. A CIONET, é uma comunidade de executivos […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Manuel Ramalho Eanes, administrador Executivo da NOS, afirma que a “NOS valorizou 78% desde a fusão”. A Zon e a Optimus fundiram os seus negócios a 26 de outubro de 2013, dando origem à NOS.

O administrador executivo do operador de telecomunicações falava durante o evento “Conversas Com…”, realizado pela CIONET Portugal.

A CIONET, é uma comunidade de executivos de Tecnologias de Informação europeia que reúne mais de 5600 CIO europeus (administradores com o pelouro dos sistemas de Informação e afins) de todo o mundo. Esta série de eventos, que se realiza na Porto Business School, coloca membros da comunidade frente-a-frente com referências da indústria,

Neste “Conversas Com…”, Manuel Ramalho Eanes falou sobre a fusão das duas empresas que deram origem à NOS. Nesta vertente, destacou que o mais importante “foi haver sempre uma coerência na estratégia e um foco nas pessoas”.

Referindo-se à questão da estratégia, o executivo sublinhou o facto de terem sido deixados de lado os planos estratégicos das duas empresas e ter sido criado um novo, de raiz, para uma nova empresa, combinando pontos de vista de recursos de ambas as empresas. “Desde a fusão em 2013 e em pouco mais de dois anos, a NOS teve uma valorização de 78%”, revelou.

No processo de mudança, o posicionamento face aos clientes “foi garantir que nada mudaria nos serviços disponibilizados aos já clientes, esclarecendo os benefícios, conceptuais e práticos, da nova empresa.”

“Neste momento, o esforço da NOS recai maioritariamente nos processos, parcerias, agilidade das soluções e nas pessoas”, rematou o responsável. 

OJE

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.