Nova administração da CMVM toma posse a 30 de novembro

Conselho de Administração da CMVM toma posse dia 30 de novembro, depois de hoje terem sido feitas as nomeações públicas de Gabriela Figueiredo Dias, Filomena Pereira de Oliveira e Rui Correia Pinto em Conselho de Ministros.

O Governo aprovou hoje as nomeações públicas para os cargos de presidente, vice-presidente e vogal do conselho de administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM): foram designados, respetivamente, Maria Gabriela Castro Fernandes, Filomena Pereira de Oliveira e Rui Correia Pinto.

O Conselho de Administração da CMVM toma posse dia 30 de novembro.

O comunicado do Conselho de Ministros adianta ainda que “para o cargo de presidente do conselho de administração da Autoridade da Concorrência foi escolhida Margarida de Matos Rosa.”

Todas estas nomeações foram atestadas através do parecer favorável da CRESAP e “dão cumprimento ao Programa do Governo e assegurando o princípio da alternância de género.”

Recomendadas

Apenas 33% das empresas portuguesas inicia ações de cobrança quando a fatura está vencida

66% das empresas portuguesas não inicia ações de cobrança com o vencimento de uma fatura. Ou seja, apenas um terço avança para a cobrança quando a fatura está vencida, conclui estudo da Crédito y Caución, empresa de seguros de crédito, e da consultora Iberinform.

Energia. Ligações entre Península Ibérica e França vão a cimeira em Alicante na sexta-feira

Em 20 de outubro, Portugal, França e Espanha alcançaram um acordo para acelerar as interconexões energéticas entre os três países, um “Corredor de Energia Verde”, com uma ligação por mar entre Barcelona e Marselha (BarMar) e outra, terrestre, entre Celorico da Beira e Zamora (CelZa).

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.
Comentários